Eu sei mas não devia

Não é? (Para ler até o fim, é necessário clicar no “continuar lendo”, e assim você vai para o blog que publicou originalmente o texto!)

Sarau Benedito

Marina Colasanti

Marina Colasanti

Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.
A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor.
E porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora.
E porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas.
E porque não abre as cortinas logo se acostuma
a acender cedo a luz.
E a medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.
A gente se acostuma a acordar de manhã
sobressaltado porque está na hora.
A tomar o café correndo porque está atrasado.
A ler o jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem.
A comer sanduiche porque não dá para almoçar.
A sair do trabalho porque já é noite.
A cochilar no ônibus porque está cansado.

View original post mais 463 palavras

O futuro online dos editores vetoriais… chegou

Para todos os gostos e bolsos, plataformas de edição de imagens e desenhos vetoriais sofrem pipocam em toda a parte e prometem simplicidade e funcionalidade

Por Arnaldo V. Carvalho*

Ferramentas profissionais como Corel Draw e Adobe Ilustrator terão de conviver com uma miríade de plataformas online que prometem disponibilizar todas as funções básicas necessárias a confecção de ilustrações, gráficos e imagens vetoriais.

Uma alternativa aos programas caros e complexos, essas plataformas ainda tem a vantagem de não pesar na memória e processamento do computador, e assim pode ajudar também quem tem uma configuração de hardware mais limitada. Pelo mesmo motivo, também podem ser operadas em qualquer máquina com Internet – o que ajuda em trabalhos colaborativos. Não requerer instalação também é uma vantagem.

Conheça agora uma seleção dessas ferramentas gratuitas ou com versões gratuitas, que fiz especialmente para quem está buscando conhecer esse tipo de plataforma:

1. DESYGNER

Para pequenas peças destinadas às redes sociais, a versão gratuita serve perfeitamente. Importe uma imagem, adicione um pequeno texto e efeitos. E pronto. A ferramenta de desenho cumpre o básico. No Desygner, aparentemente, tudo gira em torno dele tentar vender as funcionalidades pagas, em especial os templates super legais.

Em meu teste achei que a principal vantagem é o botão “Share”, que você pode usar a qualquer momento da sua edição e já disponibilizar seu trabalhinho em todas as suas redes sociais.

2. VECTR

Já tem mais cara de editor profissional, e conta com uma interface limpa, bem funcional. Em cinco minutos já havia conferido as principais funcionalidades, é mesmo uma plataforma incrível e fácil de usar. Após concluir sua arte, você pode salva-la em seu computador, em .SVG, .PNG ou .JPG. Mas ele é bom para quem quer mesmo desenhar: não há templates, mostras ou figurinhas pré-prontas. Outra coisa legal dele é que cada arte sua fica em um endereço web compartilhável. Isso quer dizer que você pode desenhar e ser visto “em tempo real” por alguém que você queira, basta compartilhar o link. Assim, sessões coletivas de desenho, ou mesmo o uso do Vectr como vitrine de um artista que está trocando informações com seu contratatante é possível. Finalmente, eles prometem que a versão básica disponível será GRATUITA PARA SEMPRE (segundo a plataforma há pretenção de uma versão pro mas o que está hoje disponível veio para ficar).

3. FATPAINT

Esse editor gratuito permite que você, após concluir sua arte, a disponibilize para lojas virtuais que podem utiliza-la na confecção sob demanda de camisetas, bonés, canecas, etc… E assim o “dono” da arte já pode sair ganhando dinheiro!

Infelizmente não deu para testar, pois ele exige o Adobe Flash Player para rodar no navegador, e recentemente deixei de usa-lo.

4. Gravit

Esse é o queridinho da vez. Investiram pesado em marketing e a plataforma está se espalhando rápido. Muito fácil de usar, cheia de templates desde a versão gratuita, você exporta a sua arte uma vez que adquira a “versão pro” por R$100,00 (06/10/2020). Eu diria que vale cada centavo, especialmente comparado a outros sites e na comparação de custos com os softwares profissionais. Se tudo o que você precisa é de uma plataforma rápida de criação de chamadas, logos, banners etc. para seus eventos, redes sociais, cursos e demais atividades, pode ser mesmo uma excelente opção. AH, sim! Já tem em português!

Aqui estão as diferenças entre a versão gratuita e a paga.

5. SVG Editor (da Catscarlet)

Uma programadora ou um programador da China (Catscarlet) disponibilizou um editor vetorial gratuito online, com código aberto (opensource). Por enquanto ele é bem basicão, mas já conta com uma série de possibilidades. Até onde vi, é prático de operar, mas limitado por exemplo no uso de fontes de letras, dentre outras questões. De qualquer forma, compete com os demais serviços. Se você quer algo simples e ao estilo “quero me virar com a vida digital livre”, vale o teste!

6. YouIDraw

Me impressionei bastante com as possibilidades artisticas desse editor online. Gratuito. Mais um que tem a encrenca das fontes de letras (teoricamente ele importaria mas não consegui nada), o que o torna mais próprio para desenho e pintura. Há uma versão paga (sistema de assinatura mensal) para você poder exportar arquivos em formato vetorial (na gratuita é possível exportar em .PNG). O banco de templates dele é muito bom e há múltiplas possibilidades de pinceis, cores, camadas, conversão para curvas, etc., etc.

No fim, fico entre ou YouIDraw e o Gravit. E você?

Depois me conte. Um abraço, Arnaldo

* Arnaldo V. Carvalho, pai, terapeuta, pedagogo, não é artista mas é pai de artistas, e vive procurando alternativas que o ajudem a se virar quando precisa.

Como a Domino’s garantiu a preferência

No dia 16 de setembro, o gerente da pizzaria Domino’s mais próxima de casa me ligou. Eu havia “descoberto” tardiamente que eles tinham a melhor pizza do meu bairro, e o serviço de pedido e entrega mais eficiente, mas o que descobriria com aquele telefonema ia muito além.

Ocorre que duas semanas antes eu havia feito um pedido, e pela primeira vez recebi uma pizza “com defeito”. A massa veio parcialmente crua – o que me fez no dia seguinte relatar o ocorrido no “fale conosco” da empresa.

Jones, o gerente, me procurou em poucos dias, e quando conseguiu fazer contato foi super gentil, escutando minha experiência, agradecendo por minha crítica e pedindo em nome da empresa uma nova oportunidade, me enviando no dia e hora de minha preferência a repetição do meu pedido sem custos.

É verdade que de vez em quando ouço histórias assim de empresas que se retratam de formas bacanas como essa. Mas no todo dos problemas e reclamações, esta ainda é uma conduta de exceção em nosso país.

Por isso, fiz questão de narrar publicamente o ocorrido, e dizer que o pedido de desculpas foi aceito, e a pizza que ele a Domino’s me enviou com este propósito chegou em trinta minutos (como aliás sempre chega, é incrível) e estava deliciosamente perfeita – como aliás sempre esteve com exceção da que reclamei.

Seguem abaixo fotos dessa maravilha que degustei ontem a noite.

Domino’s, parabéns pela competência!

Arnaldo

***

Meu pedido Domino’s “de sempre”: 2 Pizzas “meio a meio”, nos sabores 4 Queijos, Marguerita, Veggie e Bufala La Bianca. Pizza bem assada, cheirosa, deliciosa e 100% vegetariana. Recomendo!

Caçador de apócrifos de citações lúdicas (1)

Não, Platão não falou sobre jogar para conhecer alguém

Por Arnaldo V. Carvalho*


Pois é. Quem estuda ludicidade e jogos de tabuleiro está sempre a citar grandes pensadores da humanidade… Mas sem checar. Já tem tempo que implico com isso, como sabem…

Então vamos à algumas das mais famosas que, em exame, percebe-se serem falsas ou terem sido “forçadas”:

"Você pode descobrir mais sobre uma pessoa em uma hora de jogo do que em um ano de conversa". (atribuída a Platão)

De acordo com o site americano de verificação de citações “Quote Investigator“, a autoria é falsa. Eles explicam que a menção a essa frase, embora pitoresca, nem positiva é: em 1670 o manual de conduta “A Letter of Advice to a Young Gentleman Leaveing the University Concerning His Behaviour and Conversation in the World” [Uma carta de conselho a um jovem cavalheiro que deixa a universidade sobre seu comportamento e conversação no mundo], escrito pelo reverendo Richard Lingard, refere-se (negativamente) aos jogos de azar.

Cópia do livro republicado em 1907, explica que esse foi o primeiro livro publicado em Nova Iorque! Um manual de conduta dedicada a Lord Lanesborough, recomendando entre outras coisas a moderação nos jogos**.

Traduzo aqui o trecho onde se encontra a frase original, que aos poucos foi se modificando, passou por citação sem autoria, e em algum momento atribuiu-se a Platão:

Fique atento ao jogar dados ou jogos de azar com frequência ou de forma intensa, pois isso é mais cobrado do que os sete pecados mortais; você até pode se permitir uma certa quantia que seja tranquila para gastar no jogo, agradar os amigos e passar as noites de inverno, e isso o tornará indiferente ao evento. Se você observar a disposição de um homem ao vê-lo jogar (apostar), então aprenderá mais sobre ele em uma hora do que em sete anos de conversa, e pequenas apostas irão o levarão rapidamente às grandes quantias, quando então ele estará fora da proteção do Senhor.

Tradução livre do excerto citado no Quote Investigator, por minha autoria (Arnaldo)

Para dar crédito à dúvida, ainda busquei pelos textos de Platão disponíveis em língua portuguesa, e nada encontrei. O estudo do Quote Investigator, portanto, me parece completo, é fantástico e merece a leitura. Mas o básico aí está.

***


* Arnaldo V. Carvalho, pedagogo e terapeuta, estuda jogos de tabuleiro e suas aplicações educacionais. Seu mestrado em educação pesquisa o chamado “professor do tabuleiro”, ou seja, educadores que hoje se encontram envolvidos com abordagens pedagógicas lúdicas, com ou baseadas em jogos não eletrônicos.

** Em inglês, há uma diferença importante entre jogo (game) e jogar (play), sendo jogo [game] tanto substantivo como verbo; quando verbo, ainda mais no contexto em que o texto foi escrito, o jogo é especialmente associado ao jogo de apostas ou de azar.

Violeta Parra em animação emocionante

A vida da musicista e folclorista chilena Violeta Parra repassada em 20 minutos, mas com extrema sensibilidade nesta incrível animação:

Vale cada minuto!

Obrigado irmão Altamiro pela indicação!

Aprendiz de professor é um eterno curioso!

Aprendiz De Professor

Estive com a turma do Método Supera Niterói conversando sobre Curiosidade. A gravação perdeu o comecinho mas está lá a maior parte. Veja o vídeo diretamente no Face deles!

https://web.facebook.com/metodosupera.niteroi/videos/750227482203488

A chamada para o encontro foi essa:

Onde sua curiosidade foi se esconder?

“Curiosidade e Bem Viver na Terceira Idade”

O curioso terapeuta e pedagogo Arnaldo V. Carvalho aborda, de forma leve e descontraída, sobre essa arisca faceta humana que é um dos “motores do bem viver” e nos leva à saúde do corpo e da mente. Curiosidade é para todos, em todas as idades!

Dia 15 de agosto, 16h, via Zoom Supera Niterói

Nós do SUPERA Niterói preparamos um momento incrível para você! E o mais importante, no conforto da sua 🏠 casa! Vamos nos encontrar?

A gente se encontra lá!

NOTA MINHA:
Não dispensando o olhar crítico, não posso deixar de notar que os tipos físicos desse anúncio…

View original post mais 24 palavras

Seminário online sobre jogos de tabuleiro modernos na aprendizagem reúne quatro feras da área

Na próxima quarta-feira dia 8, a Necto Gamificação promoverá um encontro ao vivo com especialistas no uso educacional do jogo de tabuleiro. Estarão presentes a pioneira Laíse Lima do Oficinas Lúdicas, da Bahia; Carolina Modanezi, game designer que dirige a editora Fagulha Jogos; Arnaldo V. Carvalho, pedagogo coordenador do LabJog e o proprietário da Necto, Jorge Nolasco, idealizador do 1º Seminário Online de Jogos e Gamificação (jun/2020).

O “Encontro com Mentores ao Vivo: Jogos de Tabuleiros Modernos na Aprendizagem” acontece às 19h00 do dia 08 de julho (2020), ao custo simbólico de R$9,90. Inscrições podem ser feitas pelo Sympla:

https://www.sympla.com.br/encontro-com-mentores-jogos-de-tabuleiro-na-aprendizagem__892449

Live sobre Michel Odent na próxima quarta-feira

Nessa quarta (24/06/2020) estarei nessa live com a obstetra Heloísa Lessa, grande autoridade em parto ecológico do Rio de Janeiro. Conversaremos sobre mais um tema referente às contribuições científicas de Michel Odent para a humanidade: a enorme abrangência e alcance de seu pensamento.

Conhecido por sua atuação no cenário do nascimento, Odent, que completa 90 anos agora em julho, segue altivo na busca por formular perguntas cruciais à vida humana; Para tanto, combina os mais diversos campos da ciência de forma surpreendente.

Odent não se absteve de discutir acerca de polêmicas e propostas revolucionárias impressas em livros de diferentes áreas do saber. Como exemplo, menções surpreendentes ao Homo ludens de Huizinga, à medicina oriental e A função do Orgasmo de Wilhelm Reich constam em suas diversas obras.

Saberes não científicos, porém, por vezes seguem como base de inspiração para Odent filosofar em torno de dados recolhidos e analisados em pesquisas realizadas pelas grandes universidades do mundo. Seus pensamentos não tergiversam deixando pontas soltas ou sem afluírem para algo prático: tudo converge para uma necessidade, cuja urgência é anunciada de forma cada vez mais impactante, a cada livro que escreve, a cada palestra que oferece.

A quem deseja entender a atualidade do longevo cientista e professor, basta dizer que seu último livro, publicado em fins de 2017, utiliza em boa parte citações de trabalhos científicos com menos de dez anos – com uma amostra significativa de artigos publicados menos de um ano antes de sua escrita. Sempre foi assim.

Para uma humanidade que ainda tenta entender “quem somos, de onde viemos e para onde vamos?”, a obra de Odent despe o Homo de sua cultura e oferece pistas fundamentais acerca de nossa natureza e a escolha por respeitá-la – em nome da sobrevivência da espécie.

Vejo vocês lá!
ARNALDO

O direito universal a produzir e contemplar

Blog do Castorp: Mia Couto - Falta de reza

(…) apenas para uma pequena minoria é possível combinar produção e contemplação. O mundo tem que ser virado do avesso para que esse direito de ação e introspecção seja privilégio de todos. Mas é preciso mais do que isso: é preciso interrogar essa ação e essa contemplação. Quando agimos é no interesse de quem? Na maior parte das vezes, agimos ao serviço de ditames sutis de um patrão invisível.
(Mia Couto, 1955-)