Feeds:
Artigos
Comentários

rpaA “simpática” nota que aparece acima foi enviada pela direção da Escola Municipal Carlos Chagas que está localizada no Núcleo II do Assentamento Zumbi dos Palmares e ela mostra uma realidade cruel que está afetando as famílias assentadas. É que com salários atrasados há vários meses, os professores contratados via contratos precários e pagos pelo sistema de pagamento a autônomos (o famoso RPA), estão compreensivelmente pedindo demissão.

Se a falta de de professores em escolas urbanas já é um problema, imaginem o que é ter crianças desprovidas em um assentamento de reforma agrária onde o acesso à educação pode ser a chave para que elas tenham um mínimo de socialização, bem como a necessária possibilidade de serem educadas para, entre outras coisas, terem condições de apoiar os esforços realizados pelas famílias assentadas no sentido de melhor os sistemas produtivos e, por extensão, o nível da renda produzida dentro dos lotes.

View original post mais 103 palavras

Anúncios

Não posso expor os demais a minha conjuntivite. Eu queria largar tudo e estar lá. No enterro, na favela. Queria tirar minha roupa e dizer essa pele não me representa. Meu pinto não me representa. Bandeiras não me representam. Sou gente, só gente. Quero ser visto somente assim, como gente.

Pele não representa ninguém.

Arnaldo V. Carvalho
Arquivo pessoal.

Rio de Janeiro, 15 de março de 2018.

Resultado de imagem para marielle

Dois meses… continuam não entendendo… Continuam matando você e tantos outros todos os dias… E continuam não entendendo.

Picasso e a Maternidade

Meus amigos sabem que o Picasso cubista nunca me seduziu. Simplesmente não me encanta, e você pode dizer que talvez eu não seja aberto a maneira como ele traduzia o mundo em representações fundidas em diferentes ângulos. Deve ser. O fato é que há obras em Picasso que amo, sobretudo de sua fase pré-cubista e uma mais tardia, após seu casamento com Jacqueline Roque, já com mais de oitenta anos. Nessa época, incursou no mundo das gravuras, e “Maternidade”, de 1963, é uma preciosidade rara.

Ela foi utilizada de maneira estilizada, como capa de um trabalho acadêmico sobre o tema, de Beatriz Miranda, mãe de minha primeira filha, Clara. No dia de hoje, 13 de maio, publico a versão original e a estilizada por mim na época, em homenagem a ela que completa vinte anos, e já tem tantas histórias para contar.

Para que saiba que ela inspira seus pais desde que nasceu!
Parabéns filha Clara!
Arnaldo

https://i.pinimg.com/236x/66/59/b0/6659b008816d63660725534b18fda9f0--picasso-drawing-pablo-picasso.jpgBitmap in logoparapapai.gif

Resultado de imagem para michel odent

“Tradicionalmente, o amor foi tema para poetas, escritores e filósofos mas hoje é estudado sob múltiplas perspectivas científicas. Nesse contexto, torna-se impossível referir e levantar questões sobre o desenvolvimento da capacidade de amar sem ter em atenção a importância do período em redor do nascimento.”

Michel Odent (1930-)

Tempos de Prece (4)

Shalom Aleichem (canção tradicional judaica)
Shalom aleichem Malachei hasharet
Malachei elyon
Mimelech malchei hamelachim

 

Hakadosh baruch huBoachem l’shalom
Malachei hashalom
Malachei elyon
Mimelech malchei hamelachim
Hakadosh baruch hu

Barchuni l’shalom
Malachei hashalom
Malachei elyon
Mimelech malchei hamelachim
Hakadosh baruch hu

Tzeetchem l’shalom
Malachei hashalom
Malachei elyon
Mimelech malchei hamelachim
Hakadosh baruch hu

Composição: Jörgen Elofsson

Intérprete: Fortuna

Ensaios do Nascimento

ensaios_nascimento

Série de pequenos textos sobre gestação, parto, pós-parto e seus contextos é publicada no Laço Materno

Por Arnaldo V. Carvalho

Em meio aos movimentos que giram em torno de minha chegada a Campo Grande, Mato Grosso do Sul, para o I Curso de Técnicas Naturais para a Gestação, Parto e Pós-Parto, o Laço Materno lançou alguns de meus textos. São ensaios em prosa simples e direta, onde procuro dar voz a minha reflexão e experiência terapeutica na área, abordando temas que, mesmo já sendo bastante explorados por livros e artigos, seguem com aspectos sutis que ainda precisam ser melhor tratados.

Até o dia de hoje, 07 de abril de 2018, a série já tinha sido publicada praticamente pela metade:

  1. Me apresento ao leitor… https://lacomaterno.com/ensaios-do-nascimento-textos-ineditos-sobre-o-gestacao-parto-e-pos-parto/
  2. Contatos imediatos que o bebê no útero tem com o mundo exterior e seus impactos na vida. https://lacomaterno.com/ensaios-do-nascimento-contatos-imediatos-os-contatos-que-o-bebe-no-utero-tem-com-o-mundo-exterior-e-seus-impactos-na-vida/
  3. Lugar de Homem no Parto é Onde? https://lacomaterno.com/ensaios-do-nascimento-lugar-de-homem-no-parto-e-onde/
  4. Intervenções terapeuticas na gravidez e seus impactos no empoderamento da mulher. https://lacomaterno.com/ensaios-do-nascimento-as-intervencoes-terapeuticas-na-gravidez-e-seus-impactos-no-empoderamento-da-mulher/
  5. Sexo e gravidez: O Detalhe Z. https://lacomaterno.com/ensaios-do-nascimento-sexo-e-gravidez-o-detalhe-z/https://lacomaterno.com/ensaios-do-nascimento-sexo-e-gravidez-o-detalhe-z/

Até a próxima quarta-feira, acredito que eles terão dobrado o número de publicações (a série Ensaios já foi toda escrita). Abordaremos o pensamento oriental na gravidez, a naturopatia, questões imunitárias e outras. Os textos, como eu disse, tocam em assuntos que podem ser chave e a diferença entre um momento de vida maravilhoso e realizador ou não. Mas não se propõe a ser “Manual”, nem oferece tantos detalhes de solução… Simplesmente porque seria necessário muita conversa, interação, discussão, para que as relativizações imprescindíveis do cenário não corressem risco de se tornarem superficiais.

Fica aqui meu pedido aos leitores que leiam, curtam dentro da página do Laço Materno, comentem, peçam outros temas, etc.

Abraços, Arnaldo

 

 

Ela tem paciência”.

Resultado de imagem para luz calma

Há alguns anos, meu irmão Rodrigo Vianna, obstetra, foi ao México passar uns dias com a parteira tradicional Angelita, uma referência.

Quando, ao voltar, encontrou-se comigo, perguntei: “Rodrigo, de tudo o que você aprendeu com ela, o que percebeu de mais importante? O que, afinal, ela tem de diferente para conseguir uma taxa de sucesso tão grande com as mães que vão à “casita” ter seus filhos?”

Meu irmão fez uma pausa silenciosa, olhou para baixo… E respondeu: “Paciência”. “Ela tem paciência”.

(Arnaldo)

 

 

%d bloggers like this: