Primeiras impressões sobre o encontro de Aromaterapia da Bellarome

Olá amigos!

Aqui vão as minhas primeiras impressões sobre o encontro da Bellarome, que aconteceu ontem e vai acontecer hoje (quem quiser ainda consegue ir), no dia 10.

Primeiro preciso falar do não comparecimento em massa dos meus amigos da aromaterapia. Que decepção, não encontrei quase ninguém! Isso me levou a pensar o quanto não apoiamos uns aos outros. Precisamos entender que a aromaterapia só se fortalece a partir do momento em que um comece a prestigiar o outro. Não é fácil fazer um evento como o que Julia Nunes faz, e a verdade é que esse é o único evento exclusivo da aromaterapia em todo o país.

Por outro lado, será que não se conseguiu sensibilizar o povo para os temas do encontro? Mas se é assim, fica aqui a prova de que há pouca comunicação entre os pares e ímpares da aromaterapia no país. Isso interessa a quem? Aos que não querem ver a aromaterapia crescer, com certeza…

Bem, assisti a três palestras. A primeira da nutricionista Mauara Scorsatto. Ela falou da entrada dela (recente) no mundo dos aromas. Para quem imaginava que ela fosse falar do uso de óleos essenciais dentro do plano alimentar ou como suplemento alimentar, se enganou. Mauara se focou na psicossomática dos óleos e ilustrou com vários exemplos de sucesso como os óleos tem ajudado seus clinetes a alcançarem os objetivos pretendidos com a terapia. Excelente estratégia. A outra palestra foi do Manoel Carlos – não o da novela, mas o Diniz. Um homem multifacetado, gourmet por excelencia, charmoso no papo – alguém disposto a compartilhar o prazer de viver. Introduziu os participantes Às delícias da gastronomia, me fez chorar em dez minutos do imperdível filme “O Tempero da Vida”, e citou algumas de suas experiências com óleos na alimentação. Finalmente, assiti a palestra do americano David Crow. Crow é o autor do livro que está na moda nas livrarias pelo Brasil: “Em Busca do Buda da Medicina” (Ed. Pensamento). É herbologista e acupunturista, e passou uns bons anos aprendendo diretamente com o povo dos himalaias. Auxiliado por sua simpátia intérprete, ele deu um show. De informação, de seriedade simpática, de amor à vida, e aos óleos. Ele falou sobre imunidade através dos óleos essenciais. Para os alunos do Prof. Fabián Lazló, nenhuma novidade no ponto de vista técnico (sobre o efeito antibiótico dos óleos), mas segue a filosofia da imunidade comunitária. Não é um conceito novo, mas sua divulgação só é feita por pessoas corajosas e conscientes, como mostrou ser David Crow.

Ah, com exclusividade aqui na lista, digo que ele foi muito generoso conosco e nos deu a oportunidade de cheiras óleos difíceis de se encontrar, como a sálvia de blue montain (deliciosa!), um olíbano etíope (boswellia papyriflora), com cheiro de sabonete(!), o eucalipto com cheiro de rosas (!!), além de falar de alguns óleos que eu só conhecia através da aromalândia, como a ravensara aromática, o tulsi (louro sagrado), o helycrisium da bósnia, o niauli (não o qt cineol, o mais rico em terpinen) e o óleo de sálvia branca (que delícia).

Parabéns à Julia Nunes pela iniciativa, pelo trabalhão, e pelo belo achado David Crow.

Arnaldo V. Carvalho
PORTAL VERDE – www.portalverde.com.br

(Este post foi publicado originalmente no grupo Aromaterapia e Óleos Essenciais, do yahoo grupos)