Realidade Nua e Crua

INSTANTES

Se eu pudesse viver novamente a minha vida

na próxima trataria de cometer mais erros.

Não tentaria ser tão perfeito, relaxaria mais

na verdade bem poucas coisas levaria a sério.

Seria menos higiênico

correria mais riscos, viajaria mais

contemplaria mais entardeceres

subiria mais montanhas, nadaria mais rios.

Iria a lugares onde nunca fui.

Tomaria mais sorvete e menos lentilhas

teria mais problemas reais e menos problemas imaginários.

Eu fui uma dessas pessoas que viveu sensata e produtivamente cada minuto de sua vida.

Claro que tive momentos de alegria

mas, se pudesse voltar a viver, trataria de ter

somente bons momentos.

Porque, se não sabem, disso é feita a vida, só de momentos.

Não perca-os agora.

Eu era desses que nunca ia a parte alguma sem um termômetro, uma bolsa d’água quente, um guarda-chuva

e um paraquedas.

Se voltasse a viver, viajaria mais leve.

Se eu pudesse voltar a viver, começaria a andar

descalço na primavera e continuaria assim até o fim do outono.

Daria mais voltas na minha rua, contemplaria

mais amanheceres e brincaria com mais crianças, se tivesse outra vez uma vida pela frente.

Mas, já viram, tenho 85 anos e sei que estou

morrendo.

Don Herold (1889-1966)

NOTA: Esse é mais um apócrifo famoso. Muito antes da Internet ele já ocorria. Traduzido do original em INGLÊS para o espanhol, foi impresso em pôsteres, cartazes, jornais, etc. como de autoria de Jorge Luis Borges. Mais tarde começaram a dar outros nomes de autores, alguns até inventados. A “caça” pelo verdadeiro autor do texto acabou chegando no escritor e humorista Don Herold, que teria escrito o mesmo por volta dos anos 50.

Saiba mais:

Investigação excelente de Betty Vidigal:

http://www.blassoc.com.br/bettyvidigaltextobg.htm

Esclarecimento de Eugenio Siccardi, entre comentário da versão em inglês:

http://www.poemhunter.com/poem/instants/

Conta e Tempo

Deus pede estrita conta do meu tempo

É forçoso do tempo já dar conta;

Mas, como dar sem tempo tanta conta

Eu, que gastei sem conta tanto tempo!

Para Ter minha conta feita a tempo

Dado me foi bom tempo e não fiz nada

Não quis sobrando tempo fazer conta

Quero hoje fazer conta e falta tempo.

Ó vós que tendes tempo sem Ter conta,

Não gasteis esse tempo em passatempo:

Cuidai enquanto é tempo em fazer conta

Mas, ah! Se os que contam com seu tempo

Fizessem desse tempo alguma conta

Não choravam como eu o não Ter tempo!

Laurindo Rabelo (1826-1864)

*   *   *

NOTA: Mais um belo poema de autoria suspeita. O mesmo também é atribuído a Frei Antonio das Chagas (1631-1682) e outros dizem que é de Laurindo Rabelo (1826-1864). Pode mesmo não ser de nenhum, pois para mim há na linguagem traços que se mostram novos para ambas as épocas. Quem souber da autoria real, por favor me avise. (Arnaldo)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s