A mediocridade humana compromete o Shiatsu – Parte 1: Da prática a terapia

O primeiro de uma série de ensaios sobre mediocridade profissional…

Comunidade Intencional e Escola

Este é o primeiro de uma pequena série de ensaios que discute por que uma terapia com tanto potencial como o Shiatsu vêm sendo vista pelo senso comum – tanto entre terapeutas como pela sociedade em geral – como uma simples massagem, eventualmente útil em dores ou “bom para relaxar”. Será o Shiatsu subvalorizado por conta de um certo espírito de mediocridade[1] que assola nossa sociedade e impede a percepção máxima acerca dessa terapia? Será que a normose[2] contaminou o Shiatsu já em seu berço e o tornou refém de um modo de viver incompleto?

Trabalhando por diferentes linhas de raciocínio, o autor, a exemplo de Guilherme de Baskerville[3], busca que os fragmentos em torno da elucidação de um caso se complementem, uns aos outros, afim de demonstrar um quadro mais amplo, capaz de apontar caminhos de renovação.

Da prática a terapia ou

Como superar a…

View original post mais 1.568 palavras

One thought on “A mediocridade humana compromete o Shiatsu – Parte 1: Da prática a terapia

  1. Pingback: A mediocridade humana compromete o Shiatsu – Parte 1: Da prática a terapia |

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s