Esculturas hiperrealistas impressionam e nos fazem olhar para nós mesmos

Por Arnaldo V. Carvalho

O Brasil têm recebido grandes nomes de esculturas hiperrealistas, como Ron Mueck e Patricia Piccinini. Agora imagine uma ala de museu reunindo esculturas dos expoentes do mundo. É o que oferece o Museu de Bilbao na Espanha.

Para mim, o hiperrealismo faz a humanidade olhar para si mesma, provocando-nos através de uma espantosa “naturalidade as avessas”. Quem está vivo e quem não? Quem somos e quem não somos? Estamos mais a vontade para olhar o não vivo do que para o vivo? Há ou deverá haver pudor em olhar para corpos que não são?

Fora isso, há entre eles, os escultores, aqueles que rompem, tornam-se transrealistas, provocam nossos sentidos com propostas onde o ser humano transvia-se, extrapola-se, e o metahumano aparece como que desenhando uma ficção científica feita realidade.

A experiência é, sempre, imperdível.

Da exposição, denominada “Escultura hiperrealista 1973-2016“, o museu produziu um vídeo e generosamente nos brindou. Compartilho aqui com os leitores.

 

Visite:

https://www.museobilbao.com/exposiciones/escultura-hiperrealista-1973-2016-247

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s