Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Consciência Política’ Category

aaa

Misturar para confundir, dividir para conquistar: O caldeirão ferve e a Bruxa ri

Por Arnaldo V. Carvalho

Aos que foram atentos a história do antigo Império Romano, devem saber que sua origem vitoriosa ocorreria com o fim da República de Roma, após o famoso general ditador Caio Júlio César (100a.C-44a.C.) anexar as Gálias (basicamente toda a Europa Ocidental) e reclamar na capital poder absoluto para si.

César desenvolveu uma estratégia quase infalível, que permitiu a Roma anexar territórios inteiros com um uso de força minimizado. A tática divide et vinces* foi descrita pelo César (embora já utilizada com sucesso por Alexandre o Grande e posteriormente por Napoleão Bonaparte) tratava de uma guerra de informação, onde ele basicamente enviava espiões que, infiltrados nos grupos de interesse, tratavam de plantar a “semente da discórdia” entre clãs rivais, criando todo tipo de intrigas, enquanto enviavam preciosas informações que permitiam a ele estudar as características e pontos fracos de cada povo.

Plantar confusão nos dias de hoje envolve misturar conceitos, fatos, etc., e é aí que se forma o caldo das divisões. Formam-se divisões em assuntos os quais na verdade todos querem soluções reais. Ou seja, interessam a todos, dizem respeito a todos, e podem sim alcançar a todos. A mistura quente, que confunde situações tangentes, é a dinamite da bruxa, como denuncia a música Na Pressão (1999), de Lenine (1959-).

Olho na pressão, tá fervendo
Olho na panela
Dinamite é o feijão cozinhando
Dentro do molho dela

A bruxa mexeu o caldo
Se liga aí, ô galera
Tá pingando na mistura
Saliva da besta-fera

Trecho da música Na Pressão, de Lenine.

Temos aí uma multiplicidade de violências institucionalizadas e culturalizadas, e na pressão que o medo provoca, a bruxa ri. Fatos ocorridos e que vão para as notícias de jornal – assassinatos, torturas, discriminações, estupros, roubos, etc., se juntam ao que não vai estar na mídia – como o desprezo e cada um deles é dinamite, cada um deles se soma, temperada pela saliva da besta-fera do ódio, ácida, quente. A bruxa é a anti-vida sorrindo diante de nossas divisões.

O que tenho visto no caso Marielle Franco, por exemplo, é icônico. Tenho recebido em meus grupos sociais uma série incrível de comentários onde diferentes pontos reivindicatórios – todos legítimos – entram em choque.

Uma das maiores confusões é em relação à atenção que se têm dispensado à execução da socióloga versus a de todos os outros assassinatos cometidos diariamente no país. Me repetindo em relação a comentário que fiz em cima de um post do Facebook:

“Nenhuma morte deve passar despercebida. Cada uma deve ser cobrada pela particularidade que a envolve.

Morreu depois de ser assaltado? É uma cobrança, não pode acontecer.

Morreu executada porque se meteu em área “dominada”? É outra cobrança.

Morreu de fome? É outra cobrança.

Matou? É outra cobrança (afinal a sociedade tem sim ligação com a origem de pelo menos a maior parte dos assassinos)

Mandou matar? Mais uma cobrança.

Consumiu o produto que gera uma cadeia de mortes? Outra cobrança.

Enfim, para cada uma deve haver da sociedade uma cobrança. Por respostas, por atitudes.

Misturar tudo não ajuda. Dividir o povo não ajuda”.

Cada pessoa e/ou grupo, que além de se manifestar precisa viver sua vida – trabalhar, estar com os seus em suas alegrias e doenças, cuidar de si, sua mente e corpo, etc. – tem todo o direito de escolher seus temas, e um não diminui o outro. Tudo é muito, muito grave e precisa igualmente de atenção.

Um amigo fez o outro tipo de afirmativa-cobrança, na verdade já uma mistura entre a primeira que comentei – por que a morte dela está parecendo mais importante que outras), e uma segunda: esse barulho todo é porque ela era do partido X (no caso, o PSOL, que se auto-define como um partido “de esquerda”). Minha resposta segue a mesma linha, é simples (em relação à escrita original, adicionei links aqui no blog):

“Amigo, não sou PSOL nem nada disso. Nenhuma morte deve passar em branco, nenhuma.

Agora, você pode usar a memoria e se perguntar: por que o medico morto a facada na Lagoa Rodrigo de Freitas (2015) teve visibilidade da imprensa e um monte de gente assassinada de forma barbara, que no máximo aparece em jornais estilo “O Povo” não tem? E a juiza executada com 21 tiros (2011) em Niterói?

O que traz visibilidade de imprensa a uma morte?

Te dou duas hipóteses: ou o crime aconteceu em área de alta circulação dos grupos privilegiados (caso do médico) ou a pessoa executada tinha algum tipo de atuação extremamente incomoda, talvez sabendo coisas que “não deveria saber”. Foi o caso da juíza e é o caso da Marielle.

Vejam mais sobre a briga da juíza Patrícia Acioli com o lado podre da polícia

Ambas foram mortas no embate com a “banda podre” da Polícia Militar, e em breve tenho certeza que pessoas começarão a ligar os pontos.

Não esqueça meu amigo que tivemos um colega (no meu caso amigo) morto por assalto no mês passado, e assassinato seguido de roubo é um serio problema a ser denunciado e execução planejada de queima de arquivo é outro problema.

Ambos precisam parar e para isso devemos cobrar das autoridades. Mas por favor não vamos cair no erro de misturar as coisas”.

Nem misturar, nem diminuir qualquer um dos fatos.

Os temas reivindicatórios devem ser sempre claros, para não confundir e enfraquecer. Aqui estamos claramente conversando sobre o eixo da “violência”, e suas ramificações precisam ser desembaraçadas se quisermos enxergar as situações com lucidez.

Então, caros leitores, máxima atenção: se continuarmos confundindo, seguiremos divididos, e permaneceremos presas fáceis da Bruxa que está a solta.

Arnaldo V. Carvalho pai, terapeuta, pedagogo, cidadão.

 

* A célebre frase de Júlio César já havia sido citada por mim no artigo “Risada sem Graça” na ocasião do golpe contra a presidência da república eleita por voto popular. Possivelmente a citarei outras vezes, visto que esse é o principal ingrediente do caldo da Bruxa que destrói a humanidade e seus povos.

Anúncios

Read Full Post »

Nunca foi tão atual. Já pararam para interpretar essa música? (Arnaldo)

Na Pressão (1999)

Lenine (1959-)

Olho na pressão, tá fervendo
Olho na panela
Dinamite é o feijão cozinhando
Dentro do molho dela

A bruxa acendeu o fogo
Se cuida, rapaziada
Tem mandinga de cabôco
Mandando nessas parada

Garrafada de serpente
Despacho de cachoeira
Quanto mais o fogo sobe
Mais a panela cheira

Olho na pressão, tá fervendo
Olho na panela
Dinamite é o feijão cozinhando
Dentro do molho dela

A bruxa mexeu o caldo
Se liga aí, ô galera
Tá pingando na mistura
Saliva da besta-fera

Chacina no centro-oeste
E guerrilha na fronteira
Emboscada na avenida
Tiro e queda na ladeira
Mas feitiço é bumerangue
Perseguindo a feiticeira

***

Mais cuidado. Mais amor. Menos divisão. Vamos juntos!

Read Full Post »

Ainda lembro como se fosse ontem. Eu e minhas filhas, frequentadores da Biblioteca-parque da Av. Presidente Vargas (centro) chegando e dando com a cara na porta, encontrando um fantasma adormecido por conta do (des)governo Pezão.

Já vai fazer um ano. O governo silencia, como faz com tudo o que diz respeito a Educação e Cultura. Uma lástima, a debelar esperanças de algum futuro para os viventes no Rio de Janeiro. (Arnaldo)

IMG_20170117_164510.jpg

Read Full Post »

Hoje de manhã, pela rádio Band News FM, o jornalista Ricardo Boechat, cujos comentários costumam acertar muito mais do que errar, falou sobre o tema da redação do ENEM. O tom era de dura crítica, mas os argumentos, menores do que o tamanho deste competente profissional.

Basicamente, ele diz que “mesmo tendo sido bom em redação, mesmo assim enquanto estudante teria ido mal na prova”, comparando a importância do tema com “estudo de borboletas da Turquia” (já não recordo o país exato mas o sentido era esse). Infelizmente, suas palavras rebaixam o sentido da inclusão na escola, desvaloriza a comunidade surda no Brasil, nossa segunda língua oficial (LIBRAS) e única verdadeiramente brasileira. E de outro lado, não alcança o sentido político (logo ele) de se optar por um “assunto branco”.

Por isso mesmo tomei o cuidado de ir ao site de seu programa tecer algumas análises, muito breves para não tomar seu tempo, para que ele reconsidere. Como aparentemente fui ignorado (natural, são mais de mil e quintos comentários ao longo do programa, fica mesmo difícil), ao menos trago o assunto a público, pois pode ser útil a outros.

Querido Ricardo Boechat, sou um ouvinte atento, e ao longo dos anos você tem aberto meus olhos muitas vezes. Humildemente, digo que talvez eu possa contribuir pela primeira vez c/om os seus.

Há sim motivos sérios para criticar o tema do ENEM, mas não os que você apresentou. A falta de contato com a realidade urgente do país para mim é o grande drama. O INEP optou por um “tema branco”, demonstrando claramente uma posição de proteção em relação ao panorama político. Essa proteção pode ser visto como uma esquiva às complicadas relações do governo com as ações institucionais, que tem sofrido represálias que nos fazem lembrar tempos de Censura.

Por outro lado, tanto eu como você pertencemos a gerações que jamais vivenciaram em sala de aula o tema da inclusão. Estavamos em nossas carteiras sem qualquer colega cego, surdo, ou outro. Eles estavam ou em casa, as vezes sendo tratados como retardados, ou os sortudos estavam nos poucos institutos a eles dedicados.

Já os jovens de agora não, eles estão o tempo todo em contato com todo tipo de aluno de inclusão e a comunidade surda é enorme. Então, para eles esse tipo de discussão é relevante, consonante com um mundo onde as deficiências vêm sendo superadas com informação e não apartamento.

Você sabia que LIBRAS, a língua de sinais, é oficialmente segunda língua brasileira? Sabia que a comunidade no Brasil de hoje temos quase 10 milhões de pessoas com diferentes graus de deficiência auditiva? Imagine o tamanho dessa silenciosa comunidade, aumentada se levamos em conta todos os familiares envolvidos.

Há relevância, sim! Mas concordo que parece asséptico, aparentemente dissociado do momento político e social do país.

Um abraço Boechat e equipe”.

Arnaldo V. Carvalho

Read Full Post »

Tenho ouvido de colegas que existem servidores estaduais do Rio de Janeiro que ainda caem na conversa fiada de que a privatização da lucrativa Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE) tinha como causa prioritária a normalização do pagamento dos salários atrasados. Pois bem, hoje, exatas 48 horas após a Assmebleia Legislativa do Rio de […]

via Primeiro privatiza, depois bloqueia os servidores e aposentados que se explodam — Blog do Pedlowski

Read Full Post »

Como sempre digo, o problema não é privatizar, mas como as coisas são feitas. O preço é o menor dos males, garanto… (Arnaldo)

via Petroquímica Suape: mais uma que se vai por preço camarada no saldão do (des) governo Temer — Blog do Pedlowski

Read Full Post »

No início desta 5a. feira (22/12) um grupo de servidores públicos ocupou a Secretaria de Planejamento do Rio de Janeiro para exigir explicações sobre a situação dos salários de Novembro de quase 40% do funcionalismo estadual do Rio de Janeiro (Aqui!). Esta ação é apenas uma das que deverão ocorrer nos próximos dias para exigir […]

via RJ: (Des) governos Pezão e Temer se juntam para tripudiar sobre os direitos dos servidores — Blog do Pedlowski

Read Full Post »

Older Posts »

%d bloggers like this: