Eliminando o Humano

Em ensaio brilhante, David Byrne fala sobre o fim da interação humana e as reações que precisamos ter Já. Há muita gente comentando sobre o texto de Byrne, mas não encontrei tradução. Então, o fiz para a lingua portuguesa para facilitar a todos e podermos conversar sobre o tema. Há tanto a se conversar sobre o tema… De humano para humano (Arnaldo)

Eliminando o humano

Por David Byrne
Tradução de Arnaldo V. Carvalho

Estamos envolvidos – e imersos em – aplicativos e aparelhos que, silenciosamente, reduzem a quantidade de interação significativa que temos uns com os outros.

Eu tenho uma teoria de que muito do recente desenvolvimento e inovação tecnológica da última década ou mais tem um compromisso secreto: a possibilidade de um mundo com menos interação humana. Essa tendência é, eu suspeito, não uma falha – é uma característica. Poderíamos pensar que a Amazon é sobre fazer os livros ficarem disponíveis para nós que não conseguíamos encontrar localmente – e é verdade, e que ideia brilhante essa -, mas talvez ela também fosse um tanto a respeito da eliminação do contato humano.

É isso então, é a nova norma. A maioria das notícias tecnológicas com as quais somos bombardeados é sobre algoritmos, AI, robôs e carros auto-dirigidos, todos os quais se encaixam nesse padrão. Não estou dizendo que tais desenvolvimentos não são eficientes e convenientes; não é um julgamento. Estou simplesmente percebendo um padrão e me perguntando se, ao reconhecer esse padrão, podemos perceber que é apenas uma trajetória de muitos. Existem outras estradas possíveis por onde poderíamos seguir, e aquela em que estamos não é inevitável ou a única; Ela (possivelmente inconscientemente) foi escolhida.

Eu percebo que estou fazendo algumas suposições e generalizações radicais e loucas com essa proposta – mas eu posso dizer que estou, ou pelo menos estive, no grupo que se identificaria com o inconfesso desejo de limitar a interação humana. Eu cresci feliz, mas também vivenciei várias interações sociais extremamente desconfortáveis. Frequentemente, perguntei a mim mesmo se havia havia regras em algum lugar que não me contaram, regras que explicariam tudo para mim. Às vezes eu ainda tenho pormenores sociais “explicados” para mim. Frequentemente estou feliz de ir a um restaurante sozinho e ler. Eu não gostaria de ter que fazer isso o tempo todo, mas não tenho nenhum problema com isso – embora às vezes eu perceba olhares que dizem “pobre homem, ele não tem amigos”. Então, eu acredito que posso dizer algo sobre de onde esse impulso não falado pode vir.

A interação humana é muitas vezes percebida, na mentalidade de um engenheiro, como complicada, ineficiente, ruidosa e lenta. Parte do fazer algo “sem fricção” é colocar o lado humano fora do caminho. Não é que fazer um mundo para acomodar essa mentalidade seja “mau”, mas quando se tem tanto poder sobre o resto do mundo como o setor de tecnologia exerce sobre pessoas que podem não compartilhar essa visão de mundo, surge o risco de um estranho desequilíbrio. O mundo tecnológico é predominantemente masculino – muito mesmo. Testosterona combinada com uma diretiva de eliminar o máximo da interação com humanos reais possível pela causa da “simplicidade e eficiência” – monta a equação e esse é o futuro.

A EVIDÊNCIA

Aqui vão alguns exemplos de tecnologias de consumo bastante onipresentes que provêem uma menor interação humana.

Compras Online e entrega em casa: Compras on-line são trementamente convenientes. Amazon, FreshDirect, Instacart, etc. não apenas cortaram as interações nas livrarias e nas filas dos caixas; Eles eliminaram toda a interação humana dessas transações, excluindo as recomendações on-line (muitas vezes pagas).

Música digital: Downloads e streaming: não existe uma loja física, é claro, então não há nenhum daqueles esnobes funcionários que se acham os sabidões para lidar. Whew, você pode dizer. Alguns serviços oferecem recomendações algorítmicas, então você nem precisa discutir música com seus amigos para saber o que eles gostam. O serviço sabe o que eles gostam, e você também pode saber sem falar com eles. A função da música como um tipo de cola e lubrificante social também está sendo eliminada?

Aplicativos de transporte urbano: A interação é mínima: não é preciso dizer ao motorista o endereço ou a rota preferida, nem interagir se você não quiser.

Carros sem motorista: em um sentido, se você está fora com seus amigos, não ter um de vocês dirigindo, significa mais tempo para conversar. Ou beber. Muito bom. Mas a tecnologia sem motorista também tem como objetivo eliminar os motoristas de táxi, motoristas de caminhão, motoristas de entrega e muitos outros. Existem grandes vantagens para a eliminação de seres humanos aqui – teoricamente, as máquinas devem dirigir com mais segurança do que os seres humanos, então pode haver menos acidentes e fatalidades. As desvantagens incluem perda de emprego maciça. Mas esse é outro assunto. O que estou observando aqui é o consistente padrão de “eliminar o humano”.

Pagamento automatizado: a Eatsa é uma nova versão do Automat, um “restaurante” já popular, sem equipe visível. A loja de conveniências local tem treinado o pessoal para nos ajudar a aprender a usar as máquinas de pagamento que os substituirá. Ao mesmo tempo, estão treinando seus clientes para fazer o trabalho dos caixas.

A Amazon vem testando lojas – até mesmo supermercados! – com compras automatizadas. Eles são chamados de Amazon Go. A ideia é que os sensores saberão o que você pegou. Você pode simplesmente sair com as compras que serão cobradas na sua conta, sem qualquer contato humano.

IA: IA é freqüentemente (embora não sempre) melhor na tomada de decisões do que seres humanos. Em algumas áreas, podemos esperar isso. Por exemplo, a IA sugerirá a rota mais rápida em um mapa, representando o tráfego e a distância, enquanto nós, como humanos, estaríamos propensos a tomar nossa rota-já-experimentada-e-sabida. Mas algumas áreas onde a IA é menos esperada ser melhor do que os humanos estão igualmente se abrindo. Estão ficando melhores em detectar melanomas do que muitos médicos, por exemplo. Muito trabalho jurídico de rotina será feito em breve por programas de computador, e avaliações financeiras já estão sendo feitas por máquinas.

Força de trabalho automatizada: as fábricas cada vez mais têm menos trabalhadores humanos, o que significa que não há personalidades para lidar, sem agitação para horas extras e sem doenças. O uso de robôs evita a necessidade de um empregador pensar em seguros dos trabalhadores, saúde, segurança social, impostos indenização de demissão do trabalhador.

Assistentes pessoais: com um melhor reconhecimento de fala, pode-se conversar cada vez mais com uma máquina como Google Home ou Amazon Echo em vez de uma pessoa. As histórias divertidas abundam à medida que os erros são resolvidos. Uma criança diz: “Alexa, eu quero uma casa de bonecas” … e eis que os pais encontram uma em seu carrinho.

Big data: Melhorias e inovações no tratamento de grandes quantidades de dados significam que os padrões podem ser reconhecidos em nosso comportamento, onde eles não eram vistos anteriormente. Os dados parecem objetivos, então nós tendemos a confiar neles, e podemos muito bem vir a confiar mais nesse apanhado de dados pré-tratados mais do que em nós mesmos e em nossos colegas e amigos humanos.

Videogames (e realidade virtual): Sim, alguns jogos online são interativos. Mas a maioria é jogada em uma sala por uma pessoa conectada no jogo. A interação é virtual.

Compra e venda de estoque em alta velocidade automatizada: Uma máquina que cruza enormes quantidades de dados pode detectar tendências e padrões rapidamente e agir com mais rapidez do que uma pessoa pode.

MOOCS (cursos online abertos e massivos): educação on-line sem interação direta com professores.

Redes “sociais”: esta é uma interação social que não é realmente social. Enquanto o Facebook e outros freqüentemente afirmam oferecer conexão, e realmente oferecem a aparência disso, o fato é que muitas mídias sociais são uma simulação de conexão real.

QUAIS SÃO OS EFEITOS DE MENOS INTERAÇÃO? 

Minimizar a interação tem alguns efeitos impactantes – alguns deles bons, outros não. Exteriorizações da eficiência, alguém poderia dizer.

Para nós, como sociedade, menos contato e interação – interação real – parece levar a menos tolerância e compreensão da diferença, assim como mais inveja e antagonismo. Como já foi evidenciado recentemente, as mídias sociais realmente aumentam as divisões, amplificando efeitos de eco e permitindo que vivamos em bolhas cognitivas. Vamos alimentando o que já gostamos ou o que nossos amigos com preferências similares gostam (ou, mais comumente agora, o que alguém pagou para nós vermos em um anúncio que imita conteúdo). Desta forma, nós realmente nos tornamos menos conectados – exceto para aqueles em nosso grupo.

As redes sociais também são uma fonte de infelicidade. Um estudo realizado no início deste ano por dois cientistas sociais, Holly Shakya na UC San Diego e Nicholas Christakis em Yale, mostraram que quanto mais pessoas usam o Facebook, pior se sentem sobre suas vidas. Embora essas tecnologias afirmem nos conectar, o efeito certamente não desejado é que elas também nos separam e nos deixam tristes e invejosas.

Não estou dizendo que muitas dessas ferramentas, aplicativos e outras tecnologias não são extremamente convenientes, inteligentes e eficientes. Eu mesmo uso várias delas. Mas, em certo sentido, eles são contrários a quem somos como seres humanos.

Nós evoluímos como criaturas sociais, e nossa capacidade de cooperação é um dos grandes fatores de nosso sucesso. Eu argumentaria que a interação social e a cooperação, da natureza que faz com que nós sejamos quem somos, é algo que nossas ferramentas podem aumentar, mas não substituir.

Quando a interação se torna uma coisa estranha e desconhecida, então teremos mudado quem e o que somos enquanto espécie. Muitas vezes, nosso pensamento racional convence-nos de que nossa interação pode ser reduzida a uma série de decisões lógicas – mas nem mesmo estamos conscientes de várias das camadas e sutilezas dessas interações. Como os economistas comportamentais nos contarão, não nos comportamos racionalmente, mesmo que pensemos que sim. E os Bayesianos nos dirão que a interação é a forma como revisamos nossa imagem do que está acontecendo e o que acontecerá depois.

Eu argumentaria que também existe um perigo para a democracia. Menos interação, mesmo a interação casual, significa que se pode viver em uma bolha tribal – e sabemos onde isso leva.

É POSSÍVEL QUE MENOS A INTERAÇÃO HUMANA POSSA NOS SALVAR?

Os seres humanos são caprichosos, erráticos, emocionais, irracionais e tendenciosos no que às vezes parecem como jeitos contraproducentes. Muitas vezes parece que nossa natureza rápida e egoísta será a nossa queda. Há, ao que parece, muitas razões pelas quais tirar humanos da equação em muitos aspectos da vida pode ser uma coisa boa.

Mas eu argumentaria que, embora nossas várias tendências irracionais possam parecer inconvenientes, muitos desses atributos realmente funcionam a nosso favor. Muitas de nossas respostas emocionais evoluíram ao longo de milênios, e elas são baseadas na probabilidade de que elas, provavelmente, oferecerão a melhor maneira de lidar com uma situação.

O QUE NÓS SOMOS?

Antonio Damasio, um neutocientista da USC escreveu sobre um paciente chamado Elliot, que sofreu um traumatismo em seu lobo frontal que o tornou “desemocional”. Em todos os demais aspectos ele era ok – inteligente, saudável – mas emocionalmente ele era o Spock. Elliot não conseguia tomar decisões. Ele quebrava a cabeça infinitamente sobre os detalhes. Damasio concluiu que, embora pensemos que a tomada de decisões é racional e maquinista, são nossas emoções que nos permitem realmente decidir.

Com os seres humanos sendo um tanto imprevisíveis (bem, até que um algoritmo remova completamente essa ilusão), obtemos o benefício das surpresas, acasos felizes e conexões e intuições inesperadas. A interação, a cooperação e a colaboração com outros multiplica essas oportunidades.

Nós somos uma espécie social – nós nos beneficiamos de transmitir as descobertas, e nós nos beneficiamos com a nossa tendência de cooperar para alcançar o que não podemos estar sozinhos. Em seu livro Sapiens, Yuval Harari afirma que isso é o que nos permitiu ser tão bem-sucedido. Ele também afirma que essa cooperação foi muitas vezes facilitada pela capacidade de acreditar em “ficções”, como nações, dinheiro, religiões e instituições jurídicas. As máquinas não acreditam em ficções – ou ainda não, em todo caso. Isso não quer dizer que eles não nos superarão, mas se as máquinas são projetadas para se interessarem principalmente por elas mesmas, elas podem quebrar um obstáculo. E, entretanto, se menos interação humana nos permitir esquecer como cooperar, perderemos nossa vantagem.

Nossas eventualidades, inesperados e comportamentos singulares são divertidos – eles fazem a vida ser agradável. Eu me pergunto o que nos resta quando há cada vez menos interações humanas. Retire o humano da equação, e somos menos completos como pessoas e como sociedade.

“Nós” não existimos como indivíduos isolados. Nós, como indivíduos, somos habitantes de redes; Nós somos relacionamentos. É assim que prosperamos e florescemos.

David Byrne é músico e artista escocês residente em Nova Iorque; É conhecido no Brasil especialmente por ter liderado por anos a banda Talking Heads. Escreveu vários livros, e o seu mais recente é “How Music Works”. Uma versão desse texto apareceu originalmente em seu site, davidbyrne.com.

Escrito em 15 de agosto de 2017 e publicado eletronicamente no mês seguinte, pelo MIT em Technology Review.

Traduzido por Arnaldo V. Carvalho

Anúncios

Infâncias, gerações e um museu.

WhatsApp Image 2018-09-06 at 10.14.42.jpeg

Uma de minhas últimas fotos do MN, na minha ida de 31 de julho de 2018

Infâncias, gerações e um museu.

Arnaldo V. Carvalho

Sem que eu soubesse, minha mãe investia pesado em minha educação. Me ofertou muitas experiências, e dentre elas, pude conhecer museus, exposições, parques, praias, arredores montanhosos, natureza, a leitura e o teatro. No terceiro dia de minha dor e de meu luto pela perda do Museu Nacional, desejo compartilhar lembranças sobre este que fez parte da construção de quem sou hoje. E particularmente, da melhor parte de mim. Esse melhor que me permitiu estender a experiência às minhas filhas.

Minha mãe me levou algumas vezes ao Museu Nacional quando eu era criança. Lembro bem de sua entrada, do meteoro imenso. Lembro dos três dinossauros na entrada do segundo andar. Lembro do caranguejo gigante – a peça que eu mais gostava. E lembro do medo que eu sentia das máscaras rituais indígenas (fugia da ala indígena por causa delas), e do fascínio das exóticas cabeças encolhidas e secas. Ah, havia o setor dedicado às civilizações americanas… Incas, Maias e Astecas, com seus potes, adornos, urnas funerárias… Também havia múmias ali. A mais impressionante era uma preservada de forma natural. Uma possível mãe e seu bebê num cesto ao lado jaziam no amor eterno dessa relação. Se foram juntas, deixando seus corpos percorrerem o tempo (séculos?) até que fossem tragadas pela tragédia do incêndio. Nem tudo ali precisava ser muito grande ou muito antigo. Meus olhos de criança recebiam a explicação de minha mãe sobre os potes de lombrigas e oxiúros, que me davam asco e uma real percepção de que não queria aquilo me habitando – reforçando assim a importância da higiene alimentar. As múmias egípcias (de gatos, jacarés e pessoas) me causavam terror e êxtase. Lembro que olhava a múmia deitada, com seus pezinhos semi-descarnados, bem “de pertinho”, pois não precisava me abaixar para estar na altura de seu corpo. E lembro delas em outra fase, onde já tinha quase o tamanho que tenho e ela andou bem mal cuidada. Sim, de muitas alas e peças, me lembro do cheiro. Um cheiro que não voltei a sentir em outra parte, nem em museus como Louvre e Prado. Era uma antiguidade própria. Esse cheiro agora é só uma memória.

De minha infância para cá, o museu havia crescido. Vinha no rumo de aprender a atrair, de se modernizar… Encontrou-se com um fabuloso artista paleontológico, colocou réplica de fóssil de tiranossauro, expandiu a ala dos dinossauros, preservou melhor a área de arqueologia, salvando as múmias que estiveram num grave sufoco em tempos anteriores. O meteoro que desde o começo abria a exposição agora apresentava a ala do início da formação da vida na terra com auxílio de um belíssimo painel cósmico para fotos e novos fósseis vegetais. A coleção de história natural só foi ficando mais arrumada e bonita. Um sambaqui apareceu em destaque numa bela ala, logo após a Luzia. O museu criou acessibilidade, montou uma pequena exposição tátil, enfim, foi criativo, ousado e organizado. Tentou seguir respirando e tocando as pessoas, mesmo quando já não tinha fôlego.

Minhas filhas, todas elas, eu levei o quanto pude. As maiores chegaram a conseguir fazer uma leitura madura de diversos pontos do museu. Cada um em seu próprio ritmo de aproveitar… Revisitamos o caranguejo gigante, que com as mais novas (com cinco anos), aprendeu a “falar”. As menores conversaram, aliás, com a “múmia princesa”, com a lhama empalhada, com os crânios do hominídeos que fazem parte da história humana. Elas conversaram com eles e descobriram que a realidade do tempo e do espaço é tão imensa.

Eu e minhas filhas tivemos um grande privilégio em termos tido acesso, em nossas infâncias, a um museu a resumir o planeta, seus tempos e espaços. Possivelmente a grande maioria de nossa população jamais terá uma nova chance de um encontro tão forte e fidedigno, “abridor de lata” da lata da mente.

Meu desejo mais profundo é que essas experiências de ida ao Museu Nacional, que pude deixar a elas, assim como minha mãe deixou em mim, siga lhes ajudando a serem pessoas melhores. Agora, cada um de nós terá de levar consigo o pouco que conseguiu. Quem sabe vestir um chapéu imaginário de arqueólogo e vasculhar a mente, em busca de novos detalhes por entre as lembranças.

***

Sou Arnaldo V. Carvalho, pai, terapeuta, educador, cidadão.

Direita ou Esquerda, sólido ou líquido

Na era Líquida, esquerda e direita exibem um desfile de antolhos sólidos

Por Arnaldo V. Carvalho

Depois que uma pessoa passa por uma educação com tanta imposição de filtros, sempre a pender para um certo lado, ela pode ler o que quiser… Vai seguir modulando tudo por esses filtros.

Há uma séria dose de leitura reflexiva, neutra, honesta, incapaz de ser feita nos meios atuais. Mesmo a ciência como queria Carl Sagan – capaz de perseguir a verdade para além dos ideais de uma cultura – anda contaminada por esse indômito uso de antolhos, colocados cada vez mais cedo, em bases cada vez mais graves.

Daí que o pêndulo direita e esquerda do campo político costuma esmagar relações e provocar ainda mais cegueira. Aos ponderados a procurar uma visão sem antolhos, a permanente crítica dos radicais: Há os que julgam que estes estão à esquerda, outros os pensam à direita, e existe os que acusam a ponderação de ser “em cima do muro”. É o que ilustra o vídeo do Leandro Karnal (vide abaixo).

No fim das contas, creio que vivemos numa terra de muito discurso e pouca leitura. Ou pior, acesso tardio a leitura.

O que estou dizendo pode ir para muitos lados. O fato é que a Modernidade Líquida de Bauman pode estar esbarrando num sério problema estrutural: o arcabouço que faz a sociedade e as relações humanas convergirem para a liquidez está “montada” por cima de um núcleo extremamente sólido… E neurótico.

Aos lúcidos, cabe a realista desesperança. Aos “extra-lúcidos” (ou que tal “translúcidos”), o movimento pela possibilidade dos seres humanos serem criados de outra forma.

De que forma? Isso dá uma tese. Mas vou gostar de saber das ideias dos leitores deste blog.

(Arnaldo)

 

* Arnaldo V. Carvalho, pai, terapeuta, pedagogo.

Orangotangos de Darwin… E nós mesmos.

Resultado de imagem para orangotango

Ontem em pequeno intervalo, peguei na minha estante do consultório o livro “A expressão emocional dos animais”, escrito pelo Charles Darwin (1809-1882). Ele mesmo!

Adoro esse livro. Como desde sempre, o abri ao acaso. Lá estava Darwin, discorrendo sobre as expressões faciais e corporais do orangotango frente a um espelho recém colocado em sua área no zoológico.

Quanto mais leio Darwin – e vou fazendo isso há tempos –  me impressiono com a dedicação de Darwin a compreender os demais espécimes, como se a eles perguntasse continuamente: me ajuda a descobrir quem ou o que sou?

(Arnaldo V. Carvalho)

Avenues, Schumacher School e Guilherme Boulos: Uma nova ascensão de intelectualidade orgânica?

ou… Os jovens de agora e os Yuppies do futuro farão a diferença?

Por Arnaldo V. Carvalho*

Antonio Gramsci estaria descabelado com as novas formas de capitalismo que tomam conta do planeta… Mas esperançoso com os também novos movimentos reivindicativos, que organizam massas e resistem, e têm como diferença a forte presença do que chamava ele de “intelectualidade orgânica”: Gente oriunda de condições socioeducativas de mais qualidade, capazes de, para além de uma análise profunda e abrangente das diferentes situações, colocar a mão na massa, engajar, e fazer a diferença. São lideranças de coletividades inteiras, “lideranças preparadas”. É o que vemos no Brasil, por exemplo, no trabalho de Guilherme Boulos junto aos movimento dos sem teto: filósofo, psicanalista, e militante desde os quinze anos, ele representa uma leva de jovens que enxergam os males do sistema em que vivem para uma parcela de pessoas que é maioria absoluta. São jovens que estão hoje na busca não por “seu pirão primeiro”, mas pelo “Nós”.

Alguns desses, encontram-se engajados na política, e quase sempre, engrossam fileiras de partidos mais inclinados às causas dos desprivilegiados (porque “trabalhadores” não são só os pobres). Na Espanha, os movimentos populares deram origem ao “Podemos“, que é dirigido por um cientista político e ultrapassa as velhas ideias de “direita e esquerda”. Por aqui, com todas as críticas, vemos partidos como PSOL ou novos movimentos políticos apartidários, como Agora! e diversos outros, recebendo levas cada vez mais significativas de professores universitários, etc. Compenetrados em observar a sociedade a partir de um olhar “cientificamente menos egoísta”, ou para fora das estruturas socioeconomicas vigentes, essas pessoas são capazes de agir em perspectiva , na certeza de que o enfrentamento ao status quo é da máxima urgência para o futuro da humanidade.

Se um jovem de classe média ou alta, que tem acesso à boa educação, se sensibiliza com causas sociais e ambientais (vamos lembrar que essas causas são na verdade uma só), e decide fazer algo, imagine se desde criança elas já crescesse desenvolvendo esse tipo de consciência e proatividade.

Pois é o que começa a acontecer em todo o planeta, com as “superescolas”, que apostam em uma formação com ênfase em conceitos como cosmopolitismo, sustentabilidade e nova economia. No Brasil, já aportam Iniciativas globais como a Schumacher School, celeiro de educadores e educandos “holísticos”, ou a Avenues, escola para os filhos das elites (as mensalidades custam em torno de R$10.000,00), que prepara a criança para o mundo – literalmente, desenvolvendo habilidades de liderança com – em princípio – preocupações ambientais, sociais e mesmo existenciais.

Surgirá daí um coletivo de intelectuais orgânicos para fazer o sonho de Gramsci se tornar realidade?

Talvez disso dependa, para além de conteúdos oferecidos por uma escola, de uma farta oferta de carga emocional amorosa – capaz de preservar a latente sensibilidade que nasce com cada ser humano, e se não suspensa por mecanismos culturais, torna um indivíduo com sentimento de vínculo em relação a sua própria espécie homo sapiens (1). Em outras palavras, a educação formal possivelmente precisa estar associada à uma criação onde o potencial afetivo possa seguir sua direção natural. E quanto a isso, se não há escola, há iniciativas, métodos e discussões, como vemos por exemplo no trabalho da API – Attachment Parenting Internacional, que versa sobre criação com “apego” (sentimento de vínculo)(2).

Vamos torcer para que esses futuros novos “yuppies cosmopolitas” realmente cresçam não focados em aumentar os patrimônios de suas famílias, mas conscientes, desejosos de ver o mundo melhorar para além de seus umbigos protegidos por carros blindados e muros de condomínios de luxo – e dispostos a agir para isso.

____

(1) Ver ODENT, Michel. Pode o homem sobreviver a medicina? Rio de Janeiro: IMO, 2017.(2) No Brasil, o API é representado pelo educador parental Thiago Queiroz.

***

* Arnaldo V. Carvalho, terapeuta, pai, aprendiz de pedagogo, cidadão do mundo.

 

83 anos de medo, dor, abandono, sofrimento e ódio.

Sugestão de músicas para ouvir enquanto lê esse texto: “Sound of Silence“, “Blackbird“, “Guaranteed” e ou “One day at a time

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/21/Charles-mansonbookingphoto.jpg

A morte do marginal Charles Manson aos 83 anos mais uma vez traz à mídia o retrato de uma sociedade doente

Arnaldo V. Carvalho*

Ainda mais para quem não é americano, os crimes e [demais] loucuras cometidos pela chamada “Família Manson” no final dos anos 60 já jazia na poeira do tempo, até que a imprensa publicitou sobre a morte de seu protagonista maior, Charles Manson.

Nos cientes de sua existência, a sensação geral foi de alívio. Em mim, apenas um baixar de olhos, porque confesso, espelhei suas sombras nas minhas.

Eu conheço a raiva do mundo, da vida, da dor e do prazer. Fui uma criança explosiva, brigona, com uma solidão estranha, levada para depressões na juventude; e tive muito, muito medo de tudo. Raiva é medo disfarçado. Ou é filha do medo. Me acredito quase “salvo”, porque o amor das pessoas que me criaram me salvou. Aqui, destaco meus irmãos com paciência infinita, que me neutralizavam quando eu muito pequeno os atacava com toda a minha força física e falavam baixo para só me liberarem quando eu me acalmasse. Isso me deu contornos, limites, e me manteve sóbrio. Mesmo assim, meu destempero eclodiu muitas vezes ao longo dos anos e ofendeu as pessoas que mais amei nessa vida.

Eu seria diferente de Manson se tivesse sido rejeitado desde a concepção, e estuprado, violentado, drogado, tudo desde sempre? Eu teria morrido, de um jeito ou de outro.

Se conseguirmos por um segundo esquecer acerca de todo o mal que sua vida doentia conseguiu proporcionar à Vida: pensando apenas no sofrimento acumulado, 83 anos é pesado muita, muita coisa. Não sei como ele viveu. Não sei.

Mas sei que para sobreviver com um background desses, rompe-se com cultura, normalidade, com a razão e com a emoção. No lugar dele, duas possibilidades são aparentemente as únicas possíveis ao corpo-mente: pelo menos um dele tem que morrer. Se não é o corpo arrebatado pela energia anti-vida, então será a mente. O X na testa que Manson se fez dizendo-se “estar fora” daquela sociedade, daquela jurisdição, daquele mundo, já estava feito há tanto tempo em seu coração. O corpo encarcerado por tantas décadas era o de um natimorto-vivo, o mais atormentado dos zumbis, cujo destino tornou-se devorar mentes e levar outros a conhecer o inferno com ele, durante toda a sua longa existência e até o fim. Me surge uma primeira pergunta: Psicopatas serão sobreviventes físicos de recônditos profundos de almas torturadas e mortas mesmo antes do nascimento?

A força de um “ninguém”

Notem, usei no título o termo “marginal”. Nada mais apropriado: Manson ficou à margem da sociedade desde seu nascimento. Uma vez perguntaram a ele “quem era Charles Manson”. Caretas depois, ele disse: “ninguém”. É o que ele foi, desde sempre.

Manson já era “menos um” há tempos. Me preocupo com os “ninguéns” soltos por aí, influenciando pessoas, semeando a trágica doença da perversidade silenciosa e oculta. Me preocupo com os ninguéns sendo neste momento fabricados por essa sociedade bizarra. E estou atento a meus ninguéns e os de vocês, pessoas “normais” que me leem.

São Mansons que promovem o “Jogo da Baleia Azul”, são Mansons que ensinam adolescentes a se cortarem para “aliviar sofrimento”, são Mansons os que misturam hoje prazer com humilhação, e espalham em mais de cinquenta tons de cinza a ideia de prazer misturado com dor. Nesse instante, eles estão na Grande Rede, aliciando menores, incitando à morte por assassínio ou suicídio, incentivando aos jovens que se apartem de vez de suas famílias. Eles estão usando a solidão depressiva dos jovens que estão desprovidos de referências adultas concretas (porque os pais são ausentes, trabalhando o dia inteiro, ou formaram outras famílias, ou ou ou…). E para concluírem seu intento, de formar novos Mansons iguais a eles, sugerem toda a forma de descaracterização da pessoa como parte da vida coletiva. Descaracteriza-se o gênero, consome-se substâncias ilícitas ou aparentemente ilícitas, ouve-se músicas que reforçam o mote, usam-se redes sociais que não as gerais, cria-se um “submundo” onde eles são acolhidos.

A “promessa” Manson é a promessa do Fauno, com desafios e uma espécie confusa de valorização da condição do abandonado, presa fácil uma vez que caia no labirinto emocional oferecido por pessoas assim.

Para o mundo, o demonio-marginal Charles Manson, parafraseando Gentileza, era um ninguém indigesto. Uma verdade inconveniente. Porque ele é mais um produto de nossa sociedade que como disse Tomio Kikushi, não é somente louca, mas enlouquecedora.

Resposta reichiana

Manson mostrou ao mundo como um ninguém pode se tornar uma ameaça. O psiquiatra Wilhelm Reich (1897-1957), pouco antes de Manson nascer, tentou precaver a sociedade sobre a “peste emocional”, o ninguém que vive nas pessoas, e que quando “assume o controle” – é o caso – possui um poder destrutivo e contaminante.

“… olhando prudentemente em torno, entendi o que te escraviza: ÉS TU TEU PRÓPRIO NEGREIRO” . (REICH, 1974, p.24)

Ele estudou como esse mal coletivo se forma e espalha, e apontou soluções. Mostrou o caminho do Amor Natural e ao mesmo tempo, denunciou o “Pequeno Homem”* que nos habita, e é oriundo do medo e da repressão. Mas não foi ouvido. Otimista, o Reich da década de 1930 errou quando previu que a sociedade de cinquenta anos depois poderia estar mais preparada para o que ele tinha a dizer. Seguimos afastados do amor, reprimidos, hipócritas, e com isso perversos, cruéis, violentos, doentes sexualmente, psiquicamente, corporalmente.

A estruturação sadia da psiquê parece ter um limite sensível às experiências vividas, e talvez por isso eu não conheça uma biografia de gente que nasceu e cresceu em condições tão brutais e terminou bem (saudável, inclinado à vida, e a inspirar outras vidas). É possível manter-se são mesmo após grandes sofrimentos, e nem é preciso recorrer à exemplos místicos como Jesus Cristo, Buda ou Krishna (todos nascidos e criados com amor); temos muitos mártires e heróis contemporâneos que nos provam isso. Mas eles conseguiram porque já estavam estruturados. Convido ao leitor a me apresentar uma grande pessoa que tenha sido condenada ao nada desde sempre.

O questionamento, então, passa a ser: quando a sociedade vai abrir os olhos para o impacto do nascimento, da força do Amor, incluindo o contorno do limite infantil que também é expressão de afeto e interesse verdadeiro pela criança?

Ou pior: quantos Charles Mansons ou mais grave, quantas famílias Mansons seguirão sendo formadas até que a sociedade finalmente se liberte das velhas fórmulas morais, punitivas e adoecedoras das almas?

Na restauração da sanidade coletiva da humanidade, a única revolução possível, e a única saída para o caos crescente segue sendo Ele, o Amor.

***

* Um livro simples, direto e esclarecedor sobre esse “ninguém” que há em nós foi escrito por Reich em 1948 e traduzido no Brasil como “Escuta, Zé Ninguém“. Antes disso ele já falava da doença anti-vida, em publicações como a “Psicologia de Massas do Fascismo”, de 1933, entre outros, e depois, em 1952, o “Assassinato de Cristo”, mais uma grave denúncia à peste emocional deflagrada pela coletividade de “Ninguéns”. Reich antecipava os passos de Charles Manson, e isso rende outro e bem mais complexo artigo.

Maddox Manson, mais Mad do que manso. Louco, psicopata, “do mal”. Quantos Mansons existem hoje por aí, promovendo mortes de almas inteiras?

 

Para saber mais sobre Charles Manson

Charles Manson, o assassino mais infame do mundo, morreu. Tinha 83 anos, passou os últimos 46 na prisão

https://books.google.com.br/books?id=IYidCwAAQBAJ&pg=PT334&lpg=PT334&dq=entrevista+maddox+manson&source=bl&ots=on68aMf5p8&sig=c8PNAPEDu8o2lWqbO72kgxtXa1k&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwiSoM-FitDXAhWEgJAKHdeBCBsQ6AEIJzAA#v=onepage&q=entrevista%20maddox%20manson&f=false

http://sicnoticias.sapo.pt/mundo/2017-11-20-Charles-Manson-lider-de-seita-psicopata-assassino-um-dos-criminosos-mais-perigosos-da-America

http://fenix1374.blogspot.com.br/2013/03/charles-milles-maddox-manson-nascido-em_20.html

http://justificando.cartacapital.com.br/2014/11/26/charles-manson-louco-ou-genio-crime/

 

 

Não há quem detenha a voz humana

https://citacoes.in/media/authors/21009_eduardo-galeano.jpeg

“Tinham as mãos amarradas, ou algemadas, e ainda assim os dedos dançavam, voavam, desenhavam palavras. Os presos estavam encapuzados; mas inclinando-se conseguiam ver alguma coisa, alguma coisinha, por baixo. E embora fosse proibido falar, eles conversavam com as mãos.

Pinio Ungerfeld me ensinou o alfabeto dos dedos, que aprendeu na prisão sem professor:

— Alguns tinham caligrafia ruim — me disse —. Outros tinham letra de artista.

A ditadura uruguaia queria que cada um fosse apenas um, que cada um fosse ninguém: nas cadeias e quarteis, e no pais inteiro, a comunicação era delito.

Alguns presos passaram mais de dez anos enterrados em calabouços solitários do tamanho de um ataúde, sem escutar outras vozes além do ruído das grades ou dos passos das botas pelos corredores. Fernandez Huidobro e Mauricio Rosencof, condenados a essa solidão, salvaram-se porque conseguiram conversar, com batidinhas na parede. Assim contavam sonhos e lembranças, amores e desamores; discutiam, se abraçavam, brigavam; compartilhavam certezas e belezas e também dúvidas e culpas e perguntas que não tem resposta.

Quando é verdadeira, quando nasce da necessidade de dizer, a voz humana não encontra quem a detenha. Se lhe negam a boca, ela fala pelas mãos, ou pelos olhos, ou pelos poros, ou por onde for. Porque todos, todos, temos algo a dizer aos outros, alguma coisa, alguma palavra que merece ser celebrada ou perdoada.

GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. L&PM

https://jornalggn.com.br/sites/default/files/u1296/o_livro_dos_abracos_0.jpg