Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Resenhas críticas e reviews’ Category

https://i2.wp.com/og.infg.com.br/in/15219048-653-96d/FT1086A/420/fit.jpg

Então chegou.

A conjuntura atual no Estado do Rio de Janeiro (e do Brasil, e do mundo) fez muita gente daqui torcer para chegar. Um novo ano, um ano diferente, um respiro para a vida, que 2015 foi um sufoco.

 

Mas o ano não será diferente, a menos que se consiga ultrapassar o fatídico dia da marmota. É isso mesmo! Você, que acordou no 2016, acordou quase o mesmo. Olhe-se no espelho. Tudo igual. Olhe sua vida. Tudo igual?

 

Então vai ser assim, vai continuar sendo Dia da Marmota para você, a menos que as promessas não fiquem nas promessas, e principalmente, que você viva o que tem de ser vivido. O Feitiço do Tempo consiste em mais do que fazer só o que gosta, gostar do que se faz.

 

Então eu desejo que você que me lê tenha um FELIZ DIA DA MARMOTA!

Grande abraço a todos,

Arnaldo

PS: Alguém notou alguma referência ao velho filme estrelado por Bill Murray em 1993? Pois vou contar um segredinho a quem gosta de ler post scriptums: “O Feitiço do Tempo”, (Groundhog Day) foi nosso filme de Ano Novo, aqui em casa. Eu pessoalmente tinha assistido na época em que o filme saiu, já não lembrava de nada (só do sentido geral), de modo que tal experiência não influenciou muito na escolha, para além da ideia de ser um filme “família”. Escolhemos em cima da hora, pouco antes da virada, e vejam que curioso, o filme terminou faltando três minutos para meia-noite. Filme  que agrada a adultos, adolescentes e mesmo crianças não muito novas, é uma “sessão da tarde” gostosa, de texto interessante, diálogos atemporais, bom ritmo… Algo vai lembrar ao conto de Natal do Charles Dickens (uma pessoa não muito legal passa por uma “experiência mística” ligada ao tempo e que acaba transformando seu caráter – incluindo apologias ao altruísmo etc.). Fica aqui a microresenha do filme, escondida na mensagem de ano novo, através desse PS. Só entende a profundidade do meu desejo de Ano Novo para o mundo, quem assistir. 🙂

Anúncios

Read Full Post »

Recebi por e-mail mais um apócrifo, dessa vez atribuído a Millôr Fernandes. O texto é uma apologia à ditadura militar brasileira que governou o país por quase um quarto do século XX. Quem substituiu a autoria verdadeira pelo nome de Millôr parece se prover da ironia, tendo o cartunista combatido com sua “arma-caneta” tal regime (aos mais novos lembro que Millôr Fernandes foi um dos ativos artistas de “O Pasquim“), e inclusive tendo sido perseguido por ele.

Não vou reproduzi-lo aqui, pois seria dar bola de mais para o que não merece. Mas ele pode ser encontrado neste link. Caso um dia tenha disposição poderei contrapor os argumentos do texto com uma infinidade de outros, para tornar o cenário menos irreal.

Vejam o que diz o próprio Millôr sobre o texto:

Seu verdadeiro autor é Anselmo Cordeiro (veja a carta do próprio em http://elvisrossi.blogspot.com.br/2011/06/militar-e-incompetente-demais-militares.html). Ele se orgulha. Eu sentiria vergonha. Aliás, sinto. Vergonha alheia.

Arnaldo.

NOTA DO DIA 30/07/2017: Fui alertado pela leitora “liaseal” de que o vídeo saiu do ar, e o link para o texto estaria quebrado. O link pelo que visitei, voltou ao ar. Já o vídeo, sumiu e não encontrei nem uma outra na Internet, no momento. Deixo aqui como “compensação” e prova do repúdio de Millor ao texto e à equivocada atribuição de autoria, um comentário do próprio em sua página oficial:

– Bom dia Millôr. Recebi um texto intitulado “Militares nunca mais” que fala sobre as atividades desenvolvidas por militares durante o regime militar. O que eu gostaria de saber é se o texto foi realmente assinado pelo Senhor e em qual meio foi publicado originalmente. Sou um leitor assíduo de seus textos e admirador de suas charges e até então não havia visto esse tal texto. Fico grato se puder me responder. Atenciosamente,
Cristiano, Curitiba-PR

Caro Cristiano – acho o texto primário. Que posso fazer? É o lado escroto da Internet. Abrassão. O Millôr.

FONTE: http://www2.uol.com.br/millor/aberto/email/061.htm

 

Read Full Post »

Esse também é um texto velho, eu resumi na época em que li e assisti “O Segredo”. Naquele tempo era assim: Alguém fazia você assistir “Quem somos nós”. Depois apareceu “O Segredo”, que tinha um dos participantes do documentário anterior. E seguido a esse, diversos outros livros e filmes seguindo a linha de uma “autoajuda quântica” surgiu. Em especial com autoria de quem participou do Quem Somos nós. “O Segredo” poderia ser resumido em poucas linhas. Aqui está um esquema geral do que fazer para obter prosperidade, de acordo com o vídeo/livro. Não adianta só saber racionalmente como fez este blogueiro aqui. Tem que transformar isso em atitude e ação, é claro. Boa sorte!

Arnaldo

https://i1.wp.com/socialspirit.com.br/uploads/fanfics/historias/fanfiction-livros-saga-crepusculo-o-segredo-de-um-livro-807367,240520131731.jpg

 O SEGREDO

Os princípios da Lei da Atração resumidas para meus leitores em “3 R’s”

Por Arnaldo V. Carvalho

A LEI DA ATRAÇÃO começa com escolher bem os pensamentos e sentir-se bem!

(como se fosse mágica né, “quero ficar bem” e “PUFF”; bem, não importa, a direção do pensamento só é bem coordenada se você insiste. vá em frente!)

REQUERER > RESPONDER > RECEBER

1) Requerer: Assinale seus desejos, coloque-os no papel, pense neles, sonhe com eles. Coloque ao Universo o que realmente quer.

(atenção, isso funciona se seu princípio de realidade é adequado. Não adianta querer se transformar em um camelo por exemplo, isso não vai acontecer. Deseje um desejo humano!)

2) Responder: Haverá sinais de que o Universo está se manifestando ante a seu desejo. É preciso segui-los, agir de acordo.

(se a sensatez conduz a prosperidade, então aqui vive o segredo do “Segredo”)

3) Receber: Entusiasmo e alegria, gratidão… Comemorar os resultados é fundamental, sacramenta a realização e prepara para outras!

.

Dicas Complementares e fundamentais

** Simule para que você tenha o sentimento de já ter o que deseja. veja-se lá.

** O Universo não gosta de moleza. Você que algo? Não pense duas vezes. AÇÃO!

** Quanto tempo leva? Depende do seu alinhamento com o Universo. Os movimentos são proporcionais a isso.

** Cuidado! Quanto mais você pensa na situação, mais você a atrai.

** Gratidão: Reforço da atração do que você quer.

** Crença de esforço: Se você cresceu onde se acredita que só com trabalho duro se gera dinheiro, mude, correndo, de preferência para a mentalidade: “dinheiro flui, fácil”.

** O que você resiste, persiste.

Se acredito que dá certo? Na verdade, isso me importa menos.A conquista de uma mentalidade de ação, observação de sinais para sintonizar-se com a realidade e valorização do que se é, tem e vive é o segredo do segredo, obtível antes mesmo de qualquer eventual “prosperidade material”. Vale, portanto, o exercício. Arnaldo

Read Full Post »

Um desafio da naturopatia é a promoção da saúde oral adequada, tendo em vista:

– que ela é ponto de partida de um todo maior;

– ela abriga diversas correlações somáticas / reflexologicas;

– é ponto de contato com o Outro e com a Natureza;

– é área posicionada em ponto estratégico (abaixo do cérebro).

Tomemos por base a relação harmoniosa, a ecologia humana interligada a da Terra, e compreenderemos melhor sobre quão sábia é a tradição dos povos em tantos casos. Assim que nossos índios há muito descobriram o Juá e entre seus utilizadores vemos uma boca sempre saudável até a velhice; enquanto que no Egito e parte da península arábica e ásia, se tinha Miswak (Salvadora persica). Trata-se de uma planta cujos pequenos gravetos possuem a característica de abrirem-se como cerdas, que fazem muito bem a função mecânica da escovação, facilitando a limpeza entre dentes (não substitui o fio dental de acordo com meus testes, mas é mais eficiente que uma escova comum), e do fundo da boca (região dos sisos) e associados a substâncias bactericidas, tornaram-se importantes aliados na prevenção da cariogênese entre esses povos.

Algumas pessoas viajam para os países árabes e trazem gentilmente Miswak (também chamada de Sewak conforme a procedência), compartilhando conosco. Atualmente, elas são embaladas de maneira a preservar suas propriedades, e chegam ao consumidor médio de forma padronizada através da indústria  Recomendo conhecerem a Prof. de Dança do Ventre Beatriz Simbiya Ricco, que tem divulgado o uso da Miswak por aqui.

O sabor volátil de miswak tem fundo de raiz forte (wasabi), o que nos leva a considerar que há certamente moléculas terpenoides a fazer parte de suas propriedades terapêuticas.

Miswak (capinha)

A sensação de limpeza e polimento dental proporcionada por prazerosa escovação com miswak, e a certeza de que não estamos entrando em contato com a química das pastas de dente, ou com excesso de flúor  faz desse tipo de aparato uma acessório fantástico à higiene oral.

Recomendo!

Arnaldo V. Carvalho, Naturopata

Referências científicas

Al-lafi T, Ababneh H. The effect of the extract of the
miswak (chewing sticks) used in Jordan and the Middle East
on oral bacteria. Int Dent J. 1995 Jun; 45(3):218-22.

Almas K, Al-zeid Z. The immediate antimicrobial effect
of a toothbrush and miswak on cariogenic bacteria: a clinical
study. J Contemp Dent Pract. 2004 Feb; 1(14):105-14.
Almas K, Al-lafi TR. The natural toothbrush. World
Health Forum. 1995; 16(2):206-10.

Miswak (capinha)

Read Full Post »

Por Arnaldo V. Carvalho

A primeira inscrição do verbete Shiatsu em português

Em 17 de janeiro de 2006 foi ao ar a primeira referência sobre Shiatsu, em português, pela Wikipedia, de autoria desconhecida.


Dessa pequena definição livre (cheia de erros e acertos) de um autor desconhecido, entrou para a história da Wiki a nossa querida técnica terapeutica.

Quem começou a dar forma mais completa ao verbete foi Edgard Magalhães, que escreveu e organizou a base de informação que seria utilizada até o presente data:

O texto Wiki de Edgard Magalhães para Shiatsu, em 2006

A última modificação antes da nossa foi feita por Leandro Martinez, que, tendo pego a página já bastante acrescida de dados, basicamente revisou os links de até então.

A partir desse momento, entrei para a equipe Wikipedia (2010) com o destino de fazer da versão brasileira a mais rica e organizada em informação sobre Shiatsu.  Após esse texto, foi feita por mim uma grande revisão, contando com 15 versões diferentes. Ele passou a seguir as tendências internacionais de indexação de informação sobre o Shiatsu (foram analisadas as versões do verbete para 6 línguas diferentes), e atualizado com informações sobre o Shiatsu no Brasil. Os textos possuem contribuições originais minhas como especialista da área, traduções oriundas dos verbetes estrangeiros, além de outras contribuições. Com isso, o verbete em português pode ser considerado um dos mais completos do mundo, um trabalho de esmero digno de Espasa Calpe ou dos melhores verbetes Wikipedia. Infelizmente, como já fez outras vezes com outras contribuições, Martinez repudiou minha contribuição. Dei entrada no pedido de discussão da Wikipedia, sem resultados ou argumentos plausíveis da parte deste. No ano seguinte, o verbete Shiatsu sofreu um “ataque da ignorância”: equipe envolvida com um projeto de indexar verbetes relacionados a medicina sugeriu fusão do termo Do-In com Shiatsu.A sugestão de fusão entre os verbetes Do-in e Shiatsu: Absurdo!Para o leigo, vale esclarecer que o Do-in tem origem na região central da atual China, enquanto que o Shiatsu tem origem no Japão. As práticas culturais de cura, luta, plantio, etc., etc., possuem uma história de transformações não sem intercâmbio entre os muitos povos, mas o Shiatsu tem conceito e história distintos do do-in, embora com vários pontos de tangência.

Pois bem, tendo sido eleito presidente da Associação Brasileira de Shiatsu no mesmo ano, requeri em Assembleia uma campanha para a vigia do verbete na Wikipedia, o que foi aprovado por unanimidade. Atualmente, o projeto está sendo ampliado para um grande Observatório do Shiatsu na Imprensa e Internet, que visa corrigir vícios, tendenciosismos e esclarecer aos leigos é aprendizes do Shiatsu sobre a técnica de modo abrangente e verdadeiro.

Exponho aqui a última tentativa de versão, efetuada hoje. Vamos ver o que será feito na Wiki, mas caso haja novas intervenções, ao menos o texto está salvo.

 Primeira parte do verbete Shiatsu atualizado

A página, que só no mês passado foi consultada mais de 4 mil vezes, tem potencial para muito mais. Convocamos a todos os professores e profissionais que se envolvam diretamente na construção da informação correta, imparcial e completa a toda a comunidade lusófona a respeito do Shiatsu, sua história, seus estilos e sua Arte de Cura.
Arnaldo V. Carvalho, praticante de Shiatsu desde 1993, professor desde 1999, membro da Associação Brasileira de Shiatsu
Scans do verbete:

Read Full Post »

Há uns anos a minha amiga Maitê Schneider, árdua defensora dos Direitos Humanos e contra preconceitos e homofobia me enviou essa carta-resposta muito bem elaborada a uma radialista homofóbica que se apoiou na Bíblia para fundamentar seu preconceito. Espero que todos leiam e reflitam seriamente .

https://i1.wp.com/www.evangelismoemslides.com.br/wp-content/uploads/2009/10/Divis%C3%B5es-da-Biblia.jpgLaura Schlessinger é uma personalidade da rádio americana que distribui conselhos para pessoas que ligam para seu show.

Recentemente ela disse que a homossexualidade é uma abominação de acordo com Levíticos 18:22 e não pode ser perdoada em qualquer circunstância.


O texto abaixo é uma carta aberta para Dra. Laura, escrita por um cidadão americano (disponibilizada e traduzida na Internet).


“Cara Dra. Laura:
Obrigado por ter feito tanto para educar as pessoas no que diz respeito à Lei de Deus. Eu tenho aprendido muito com seu programa, e tento compartilhar o conhecimento com tantas pessoas quanto posso.
Quando alguém tenta defender a homossexualidade, por exemplo, eu simplesmente o lembro que Levíticos 18:22 claramente afirma que isso é uma abominação. Fim de debate.
Mas eu preciso de sua ajuda, entretanto, no que diz respeito a algumas leis específicas e como seguí-las:
a) Quando eu queimo um touro no altar como sacrifício, eu sei que isso cria um odor agradável para o Senhor (Levíticos 1:9). O problema são os meus vizinhos. Eles reclamam que o odor não é agradável para eles. Devo matá-los por heresia?

b) Eu gostaria de vender minha filha como escrava, como é permitido em Êxodo 21:7. Na época actual, qual acha que seria um preço justo por ela?

c) Eu sei que não é permitido ter contacto com uma mulher enquanto ela está em seu período de impureza menstrual (Levíticos 15:19-24). O problema é: como é que eu digo isso a ela? Eu tenho tentado, mas a maioria das mulheres toma isso como ofensa.

d) Levíticos 25:44 afirma que eu posso possuir escravos, tanto homens quanto mulheres, se eles forem comprados de nações vizinhas. Um amigo meu diz que isso se aplica a mexicanos, mas não a canadenses. Você pode-me esclarecer isso? Por que eu não posso possuir canadenses?

e) Eu tenho um vizinho que insiste em trabalhar aos sábados. Êxodo 35:2 claramente afirma que ele deve ser morto. Eu sou moralmente obrigado a matá-lo eu mesmo?

f) Tenho um amigo meu que gosta de comer moluscos, sendo que este comportamento é abominação (Levíticos 11:10), é uma abominação menor que a homossexualidade? Eu não concordo. Você pode esclarecer esse ponto?

g) Levíticos 21:20 afirma que eu não posso me aproximar do altar de Deus se eu tiver algum defeito na visão. Eu admito que uso óculos para ler. A minha visão tem mesmo que ser 100%, ou pode-se dar um jeitinho?

h) A maioria dos meus amigos homens apara a barba, inclusive o cabelo das têmporas, mesmo que isso seja expressamente proibido em Levíticos 19:27. Como eles devem morrer?

i) Eu sei que tocar a pele de um porco morto me faz impuro (Levíticos 11:6-8), mas eu posso jogar futebol americano se usar luvas? (as bolas de futebol americano são feitas com pele de porco)

j) Meu tio tem uma fazenda. Ele viola Levíticos 19:19 plantando dois tipos diferentes de vegetais no mesmo campo. Sua esposa também viola Levíticos 19:19, porque usa roupas feitas de dois tipos diferentes de tecido (algodão e poliester). Ele também tende a xingar e blasfemar muito. É realmente necessário que eu chame toda a cidade para apedrejá-los (Levíticos 24:10-16)? Nós não poderíamos simplesmente queimá-los em uma cerimónia privada como deve ser feito com as pessoas que mantêm relações sexuais com seus sogros (Levíticos 20:14)?

Eu sei que você estudou essas coisas a fundo, então estou confiante que possa ajudar.
Obrigado novamente por nos lembrar que a palavra de Deus é eterna e imutável.
Seu discípulo e fã
(Nome mantido em sigilo)
Quero lembrar que Levíticos é o terceiro livro do Velho Testamento. Segundo Wikipedia:

Levítico é o terceiro livro da Bíblia, vem depois do livro de Livro do Êxodo e antes de Números .[1][2] Faz parte do Pentateuco, os cinco primeiros livros bíblicos, cuja autoria é, tradicionalmente, atribuída a Moisés. Recebe essa denominação porque contém a Lei dos sacerdotes da Tribo de Levi[3], a tribo de Israel que foi escolhida para exercer a função sacerdotal no meio do seu povo[4].

É um dos livros do Antigo Testamento da Bíblia e possui 27 capítulos. Os judeus chamam-no Vayikrá ou Vaicrá. Basicamente é um livro teocrático, isto é, seu caráter é legislativo; possuí, ainda, em seu texto, o ritual dos sacrifícios, as normas que diferenciam o puro do impuro, a lei da santidade e o calendário litúrgico entre outras normas e legislações que regulariam a religião.

Interessante reflexão crítica acerca das Leis de Deus segundo o Velho Testamento encontra-se em:

http://homossexualidade.sites.uol.com.br/levitico.htm

A leitura de Levíticos é como ler uma imensa carta de ordens e obrigações, e dispara contra vários aspectos da vida, contra diversos animais (contraditoriamente a idéia de que as plantas e animais são feitos por Deus), e propaga uma infinidade de preconceitos. Pobres dos jacarés e demais répteis, considerados abominações em Levíticos 11:42…

Arnaldo V. Carvalho

Read Full Post »

Esclarecimento prévio: Esse texto foi publicado originalmente no grupo de estudos Shiatsu Emocional, restrito aos praticantes, alunos e ex-alunos da mesma escola, em 13 de setembro deste ano. Resolvi publicar aqui porque não param de me perguntar! Texto segue na íntegra e sem revisão. Espero que seja útil a todos.
Abraços do Arnaldo.

Pulseirinhas Energéticas

Por Arnaldo V. Carvalho

As pessoas têm me perguntado sobre a pulseirinha energética chamada “power balance”. Será que funciona? Será uma fraude?

Nesse momento, há falta de estudos. Que formas, materiais e imagens podem interferir nas pessoas, isso não há dúvida. Assim, formas piramidais captam energia, formas parabólicas são capazes de convergir sinais úteis para a propagação de som, imagem (é a tecnologia dos satelites, antenas parabólicas, retransmissores, etc… Materiais orgânicos tendem a atrair energia enquanto inorgânicos a isolar; Imagens podem interferir na qualidade da água (vide os trabalhos de Masaru Emoto), e lembremos, somos feitos bastante de água. A percepção de que a forma interfere nos corpos e nas relações origina desde os tempos remotos símbolos místicos, mágicos, mas também inspiram a modelos de aplicações da engenharia e outras ciências.

O uso do conjunto forma+material utilizado foi utilizado por alquimistas medievos, pelos médicos tradicionais do oriente, e por cientistas. Estes, algumas vezes, são condenados por seus colegas, mesmo tendo realizados estudos reprodutíveis satisfatórios. É o caso de Wilhelm Reich e sua caixa de orgônio, por exemplo. Pensar que um simples cubo feitos de camadas de materiais simples possa curar é um perigo muito grande a indústria farmacêutica, aos métodos de cura exaustivos e caros. Não foi a toa que Reich morreu na prisão, após pedir, sendo julgado sob acusação de charlatanismo (sendo que Reich em vida jamais fez uso comercial da caixa), que seu aparato fosse avaliado por uma comissão científica, e não por juízes ou pessoas que não teriam conhecimento técnico para concluir satisfatóriamente a questão. Até hoje a caixa e seus efeitos são verificados, mas a ciência nunca chegou a uma conclusão do “porque funciona”. Os benefícios, contudo, ocorrem em animais, plantas, e mesmo em objetos (uma lâmina de barbear numa caixinha dessas permanece com o fio com mais tempo, por exemplo).

Assim sendo, não se pode por falta de estudo deixar de acreditar que um objeto baseado em forma/material não cause interferências, sejam positivas, sejam negativas. Pela mesma falta de estudos igualmente não se pode ser totalmente crédulo.

O Power balance pega carona na idéia da “forma que interfere”, da mesma maneira que há “cristais radiônicos” ligados hoje a poderosos computadores, que captam a informação dos cristais e emitem diagnósticos complexos, e podem inclusive interferir A DISTÂNCIA nos campos do objeto de estudo. Na clínica onde eu trabalho, há um aparelho desses (chama-se Quantek), custa milhares de reais e é utilizado por um radiestesista sério. Tem inclusive premiação e reconhecimento de autoridades governamentais de países da cortina de ferro como a Ucrânia.

Além do Power Balance, temos o símbolo compensador André Philippe, materiais de cerâmicas especiais (teoricamente emitentes de energia fotônica, em especial a infra-vermelha), imagens de pessoas santas, utilização de imãs e objetos imantados, símbolos místicos chineses, hindús e mesmo celtas, tudo utilizado em adesivos, adornos, objetos, gráficos, itens de vestuário e outros. A idéia é sempre a mesma: a forma, seu significado, seu material, sua composição final que inclui tudo isso no final das contas é energia/vibração, e essa energia com potencial vibratório poderá fazer diferença no corpo e na mente humana. Alguns desses itens passam a ser fabricados por uma indústria que alimenta gente muito interessadas em recorrer a recursos simples, com grandes benefícios e em princípio mínimos efeitos negativos. Quando isso acontece, é sempre o mesmo: a turma dos céticos ataca e ridiculariza, os crédulos compram sem pensar, e a indústria fatura.

Fato é que se essas coisas não são verdade ao menos em parte, teremos que desistir da idéia de recorrer ao shiatsu, a acupuntura e suas agulhas, e atualmente stipers (pastilhas de silício) e eletroestimuladores. Teremos de desistir também de outros aparelhos que captam outras formas de onda, como televisões, celulares, satélites, computadores. Por outro lado, se isso tudo ou parte disso é verdade, vale um pequeno comentário, é preciso mais preocupação com as cores que usamos, com os objetos em nossa casa, a disposição dos móveis, e também será necessário investir em planejamento urbano levando em conta essas coisas. Teremos que pensar num mundo com muito mais noção de impacto, e talvez passemos a catar minhocas antes de executar as fundações numa casa. O Feng-Shui será obrigatório e o mundo passará por um reconhecimento do meta-místico-científico, ou meta-científico-místico, como queiram. Mas vejam o que escrevi: verdade em parte.

Mesmo havendo benefícios, esses em geral são mínimos. São detalhes que não fazem a vida ficar tão melhor; Não fazem milagres, não curam doenças, não são capazes de substituir a única fonte real de cura, que vem do interior da pessoa e expressa-se e sintoniza-se no Amor/força-da-vida/sintonia-com-a-rede. A propaganda feita é sempre muito maior do que o efeito prometido. Há estudos que calculam que o preço real de um produto é de apenas 20% seu valor final (incluindo as despesas de produção e distribuição), porque os outros 80% são utilizados em MARKETING. Não duvidem se os famosos que usam as pulseirinhas ganharesm alguns milhares de dólares para faze-lo.

Um estímulo de meridiano pode causar tanto reequilíbrio quanto desequilíbrio. Um objeto no pulso poderá interferir em todo o corpo através do meridiano do coração, mas pode claro interferir negativamente nos circuitos como um todo. Assim, é sempre complicado a idéia de um objeto fixo a estimular todo o tempo um canal. De qualquer forma, ao longo das eras homens e mulheres utilizaram objetos fixos: anéis, brincos e cordões fazem parte do pelotão da indumentária mágica que tenta auxiliar as condições energéticas dos seres humanos. De algum modo, com o passar dos anos o corpo obviamente poderá sentir repercussões de tais estímulos, e se adaptará inclusive a elas.

O que interessa para nós no Shiatsu Emocional é, em última instância, é o que esses itens podem fazer com a cabeça das pessoas. Se por um lado, podem produzir benefícios reais, para além de um efeito placebo (que também entra na conta, o poder da sugestão está aí, e não é a toa que o Power Balance alardeia que artistas, atletas, etc. diversos estejam utilizando “e obtendo resultados”), por outro, repetir o processo de expropriação do poder de cura interior das pessoas.

Os terapeutas tem que ter muito cuidado antes de passar um remédio, seja ele floral, homeopático, aromaterápico, etc – quanto mais recomendar “objetos com propriedades terapeuticas”. Ele precisa pensar que, da mesma forma que a alopatia, quando recomendam um remédio externo a um indivíduo, estão lhe destituindo seu próprio poder. Afirmam: “seu corpo não consegue se equilibrar, precisa de uma fonte externa”. Vivemos num mundo de Sansões sempre a perder seus poderes quando cabelos são cortados. Assim, pessoas já não dormem sem seus ansiolíticos, dependentes de cocaína já não transam sem cheirar, o corpo não acorda sem um cafezinho, a tiróide não funciona sem a tiroxina”zinha”, a vida já não presta caso se esteja sem apoios para todos os lados. Se no passado um velhinho se apoiava numa bengala, nos dias de hoje estamos todos apoiados, desde crianças (com seus “voadores”), em muitas bengalas, que nos facilitam a vida, fazem por nós – e nos fragilizam.

É isso o que queremos, enquanto terapeutas? Desejamos estimular dependências? Desejamos retirar o poder do corpo, da cura? Ainda essa semana o assunto das vacinas voltou a tona no grupo de estudos. Aqui, o assunto é o mesmo. Seja para prevenir ou remediar, afinal, quem é que deve fazer o esforço, as transformações químicas e biológicas, a regulação energética? O indivíduo deve ser declarado definitivamente um incapaz ?

Claro, vivemos em grupo, a co-dependência é necessária, e o corpo é passagem. É passagem, a energia entra e sai, o sal entra e sai, o ar, os alimentos entram e saem. Fazemos parte de um sistema muito maior, e esse sistema é fantástico quando todos participam da maneira correta. A sensação que temos é que o bicho-homem não está colaborando e o resultado se refletirá aos seus indivíduos, na sua coletividade, e finalmente a toda a natureza. É bom interagir com todas as forças: pessoas, natureza, roupas, tecnologia… É bom ter a disposição um arsenal de técnicas e medicamentos, e é bom fazer parte de uma rede onde, quando alguém falha ou outro pode ajudar a arrumar.  É ruim quando essas interações se tornam desequilibradas, tendenciosas, desorganizadas, sem sintonia com o Tao. A sintonia com o Tao requer um compromisso íntimo de cada um para com esse Equilíbrio, em todas as suas esferas (do microverso ao macroverso).

Resumindo, podemos montar uma pequena carta de vantagens e desvantagens no uso de terapeuticas externas (aqui o exemplo é da pulseirinha):

Vantagens no uso do Powerbalance (isso é, caso funcione!):

– Pode causar algum tipo de interferência positiva nos meridianos, nos campos eletromagnéticos e vitais da pessoa.
– Pode atuar mesmo sem a consciência do indivíduo, mesmo que ele não faça esforço e mesmo que esteja dormindo, por exemplo.
– Pode gerar um efeito placebo positivo.

Desvantagens claras no uso do Power Balance:
– Pode causar distúrbios no equilíbrio natural dos meridianos, ainda que seus fabricantes digam que não;
– Fomento a sociedade de consumo-capitalismo-originárias de diversas neuroses;
– Transferência NO MÍNIMO PSICOLOGICA do poder (e responsabilidade!) de auto-organização para um objeto;
– Terapia que não envolve conscientização, não envolve relações humanas e consciencia do papel do indivíduo na Rede Vital e a relação disso com sua própria saúde;

Espero que minha análise seja útil a todos.
Um abraço,
Arnaldo

Alguns links para/sobre a pulseirinha power balance:

http://yahoo.tecontei.com.br/noticias/braceletes-que-prometem-equilibrio-viram-mania-entre-os-famosos-87284.html

De relógios caros a bolsas com preços igualmente astronômicos, os famosos sempre lançam moda. Mas a novidade desta vez cabe no orçamento de muita gente e não é feita de pedras preciosas ou de ouro. As pulseiras de plástico Power Balance e similares prometem equilibrar o organismo e já tem um time de fãs de peso. Leonardo DiCaprio, PDiddy, Robert De Niro, Khloe Kardashian, David Beckham, Luciano Huck e Ana Maria Braga, entre outros, não tiram as suas dos pulsos.

GALERIA DE FOTOS: Veja quem usa os braceletes energizantes

De acordo com o fabricante, o segredo do acessório são dois hologramas com frequencias que reagem positivamente com o campo de energia do corpo, dando sensação de bem-estar. Atletas como Beckham, Cristiano Ronaldo, Shaquille O’Neal, Lamar Odom – marido de Khloe – e Rubens Barrichello não deixam as suas em casa. Os braceletes fariam com que além do equilíbrio corporal, a força e a flexibilidade fossem maiores.

Apesar da legião crescente de usuários, os benefícios não são comprovados cientificamente. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu, em 3 de setembro, propagandas que façam menção aos supostos efeitos terapêuticos. Segundo a agência, o produto não é registrado no órgão e não pode ser vendido com a proposta de melhorar a saúde.

sites e vídeos sobre a pulseirinha:
http://www.powerbalance.com/
http://www.brasilpowerbalance.com/

http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=9751
http://www.youtube.com/watch?v=XnM_M5YkG_I
http://www.fayerwayer.com.br/2010/05/nao-caia-no-golpe-das-pulseirinhas-power-balance/
http://www.pulseirapowerbalance.com/

Read Full Post »

Older Posts »

%d bloggers like this: