Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘clarice lispector’

IMG_20161204_161155.jpg

“Amar é a única salvação individual que conheço; ninguém estará perdido se der amor, e às vezes, receber amor em troca” Atribuído a Clarice Lispector (o nome da autora, na imagem, está errado).

Anúncios

Read Full Post »

Vocês sabem, em geral, não gosto – estou farto de certa forma – de textos de auto-ajuda com conteúdos diretivos: “faça isso”, “seja feliz”, “durma mais”, “sinta prazer”… Acho tudo isso um saco, falso, e obviamente, condicionante. Mas há um textinho diretivo que não deixa de ser interessante – talvez mais por sua história que pelo conteúdo. Escrito por Edson Marques, ele circulou e circula por aí como se fosse de Clarice Lispector. Uma grande agência de publicidade não chegou a autoria e usou numa campanha para a FIAT. O FILHO da Lispector deu uma de “João-sem-braço” e recebeu uma bolada de DIREITOS AUTORAIS(!!!), o comercial foi rodado, e… E aí que o VERDADEIRO AUTOR Edson Marques comprou uma briga que dura mais de dez anos na justiça para reverter toda essa mistura de confusão, malandragem e falta de apreço pela autenticidade das coisas. Segue aí o texto MUDE (talvez bastante apropriado nesta época do ano, onde muita gente se propõe a aproveitar o fim do calendário para fazer disso o fim de padrões, comportamentos etc.), com links para o caso. (Arnaldo)

MUDE

Mude, mas comece devagar.

Porque a direção é mais importante, que a velocidade.

Sente-se em outra cadeira, no outro lado da mesa.

Mais tarde, mude de mesa.

Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua.

Depois, mude de caminho, ande por outras ruas,

calmamente, observando, com atenção, os lugares por onde você passa.

Tome outro ônibus. Mude por uns tempos o estilo de roupas.

Dê os seus sapatos velhos, procure andar descalço alguns dias.

Tire uma tarde inteira para passear livremente na praia ou no parque

e ouvir o canto dos passarinhos.

Veja o mundo de outras perspectivas.

Abra e feche gavetas e portas com a mão esquerda.

Durma no outro lado da cama. Depois, procure dormir em outras camas.

Aprenda uma palavra nova por dia numa outra língua.

Corrija a postura. Coma um pouco menos. Escolha comidas diferentes.

Novos temperos, novas cores, novas delícias.

Almoce em outros locais, compre pão em outra padaria.

Almoce mais cedo, jante mais tarde ou vice-versa.

Escolha outro mercado…Outra marca de sabonete, outro creme dental…

Tome banhos em novos horários.

Use canetas de outras cores, vá passear em outros lugares,

ame muito, cada vez mais.

Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as, seja criativo.

E aproveite para fazer uma viagem despretensiosa,

longa, se possível sem destino.

Experimente coisa novas, troque novamente,

Mude, de novo. Experimente outra vez.

Você certamente conhecerá coisas melhores e coisas piores

do que as já conhecidas, mas não é isso que importa.

O mais importante é a mudança, o movimento, o dinamismo, a energia.

Só o que está morto não muda.

(Edson Marques)

*   *   *

Comentários (Arnaldo V. Carvalho)

COMENTÁRIO 1 – MAIS UM APÓCRIFO. Mais uma vez um texto atribuído à Clarice Lispector em quase tudo que é lugar na Internet; Lispector, que nunca publicou poemas… Pobre Clarice, sempre enfiada onde não tem a menor chance de estar. Sacanagem com o Edson Marques e em relação aos diversos casos semelhantes, com todos os autores contemporâneos, que permanecem no anonimato apesar de provarem haver capacidade para textos lindos e que nos tocam o coração.

COMENTÁRIO 2 – POBREZA HUMANA, INOCÊNCIA, “FODA-SE”  OU O QUÊ?: Me entristece perceber que as pessoas não conseguem identificar a não autoria de certos autores. Autores consagrados como Fernando Pessoa, J. Luis Borges e Clarice Lispector têm seus nomes emplacados em textos que JAMAIS poderiam pertencer a eles. Fico pensando que quem deixa passar batido esse fato deve ter o seguinte raciocínio em seu cérebro: “já ouvi falar do autor” > “ele é famoso” > “ele é bom” > “o texto é bom”. De fato desconhecem a maioria dos autores, menos ainda seu contexto de época, a linguagem geral utilizada naquele momento e lugar – para não ir tão longe a ponto da pessoa identificar as nuances que caracterizam os textos de dado autor… Não dá para dizer “o brasileiro é ignorante”. Isso ocorre em todos os países do mundo (embora eu consiga notar mais especialmente nas Américas – mas isso, penso, dever ser porque é o que nos chega). Posso pensar que o mundo lê mal, mesmo que leia muito (é só ver o caso do texto “Instantes” atribuído ao J. L. Borges – afinal argentino não tem fama de ler muito?). Se lê mal, mal percebe. Percebe mal seu entorno, seu ambiente, o OUTRO. Reich tem razão, a couraça do segmento OCULAR é o primeiro desafio a ser vencido na humanidade.

LINKS sobre apócrifos diversos e sobre o Escândalo do texto MUDE:

http://www.desafiat.blogspot.com/

http://veja.abril.com.br/090703/p_103.html

http://br.dir.groups.yahoo.com/group/masonline/message/5554?var=1

http://pensador.uol.com.br/frase/MTk5NDI0/

http://mude.blogspot.com/

Read Full Post »

Esse texto é atribuído a Clarice Lispector. Fico pensando que os leitores do blog pensarão que o texto de cima para baixo é adequado para algumas pessoas de suas próprias vidas, e para outras, ou quem sabe apenas uma, será adequado de baixo para cima. Divirtam-se com suas próprias lembranças. Arnaldo

Leia de cima para baixo e de baixo para cima.

“Não te amo mais.
Estarei mentindo dizendo que
Ainda te quero como sempre quis.
Tenho certeza que
Nada foi em vão.
Sinto dentro de mim que
Você nao significa nada.
Nao poderia dizer jamais que
Alimento um grande amor.
Sinto cada vez mais que
Ja te esqueci!
E jamais usarei a frase
EU TE AMO!
Sinto, mas tenho que dizer a verdade
É tarde demais…”

 

*   *   *

PS: Não estou mesmo certo de que a autoria é de Clarice. Se você sabe mais detalhes sobre a autoria deste texto, por favor, informe, para que eu possa corrigir e divulgar o correto. Muito obrigado desde já!

Read Full Post »

%d bloggers like this: