Filhos: são da Vida.

Teus filhos não são teus filhos.

São filhos e filhas da Vida, anelando por si própria.

Vêm através de ti, mas não de ti,

E embora estejam contigo, a ti não pertencem.

Podes dar-lhes teu amor, mas não teus pensamentos,

Pois que eles têm seus pensamentos próprios.

Podes abrigar seus corpos, mas não suas almas.

Pois que suas almas residem na casa do amanhã, que não podes visitar sequer em sonhos.

Podes esforçar-te por te parecer com eles, mas não procures fazê-los semelhantes a ti,

Pois a vida não recua, e não se retarda no ontem.

Tu és o arco do qual teus filhos, como flechas vivas, são disparados

Que a tua inclinação, na mão do arqueiro, seja para a alegria.

Khalil Gibran (1883-1931)

Quem foi Kahlil Gibran? (6 de janeiro de 1883 – 10 de abril de 1931) –  Monitor do Oriente

Quem é o opressor?

Bertold Brecht: Teatro e Poesia (Download)

Da Violência

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento.

Mas ninguém diz violentas

As margens que o comprimem.

(Bertold Brecht – 1898-1956)

(Tradução do escritor português Arnaldo Saraiva (1939-)

Porque não se isolar do falastrão nazista:

“Como era tentador, por exemplo, simplesmente ignorar o falastrão nazista. Mas por mais sedutor que possa ser render-se a tais tentações e isolar-se em sua própria psique, o resultado sempre será uma perda do humano junto com a deserção da realidade”.

Hanna Arendt, filósofa alemã-judia (1906-1975)

Imagem relacionada

A busca mais perfeita

Há cerca de vinte anos, comprei em um sebo um velho livro, bem rabiscado, e com um pequeno recorte de jornal nele esquecido. Por algum motivo, nunca o tirei de lá. Mas também não me interessei a ler.

Recentemente, busquei uma referência nesse velho volume, e dessa vez, o fragmento não passou incólume. Era uma pequena nota de Joyce Pascowitch falando da livreira esotérica Lili Guimarães (1946-), então dona da Livraria Spiro (fechada há alguns anos). Após apresentar a empresária ao público, Pascowitch fez aquelas perguntinhas rápidas, que por vezes trazem pérolas preciosas. No momento, deixo vocês com apenas uma:

A busca mais perfeita é aquela…

– Que garimpa o amor.

Assim disse Lili Guimarães.

(Arnaldo)

PS: A coluna de Joyce trazendo um pouco de Lili Guimarães foi publicada na Folha de São Paulo, em 1996, e está disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/12/29/mais!/1.html

Um ato que nega os demais

“A poesia não é uma crença. Nem uma lógica. A poesia é um ato. Um ato que nega todos os atos. Ai se dá no instante em que a sombra do sonho parece a sombra do poema”.

Takiguchi Shuzô, artista japonês. 1903-1979