Acreditar? Não há pressa.

https://i1.wp.com/www.meditationinliverpool.org.uk/Images/Buddha-Life-Story/Buddha-200s.jpg“Não se apresse em acreditar em nada, mesmo se estiver escrito nas escrituras sagradas. Não se apresse em acreditar em nada só porque um professor famoso que disse. Não acredite em nada apenas porque a maioria concordou que é a verdade. Não acredite em mim. Você deveria testar qualquer coisa que as pessoas dizem através de sua própria experiência antes de aceitar ou rejeitar algo.”

(Siddartha Gautama, o Buddha, Kalama Sutra 17:49)

Acredito e procuro seguir.

“Pode-se tocar alguém somente como um objeto, como uma doença, como uma coisa, como um objeto de prazer, pode-se tocar alguém como a um Deus e até mesmo não ousar tocar.

O importante é toca-lo no meio, quer dizer, reconhecendo a dimensão divina da pessoa a quem tocamos, não esquecendo o sopro que a habita, não esquecendo o espaço que existe nela, não esquecendo a divindade que está em seu ser.

E manter os dois unidos”.
Jean-Yves Leloup – Caminhos da Realização