Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘psicoterapia corporal’

Marcel Marceau, dança, terapia e eu

Por Arnaldo V. Carvalho*

Quando criança, era deslumbrado com o controle corporal e suas ilusões de movimento. Minhas primeiras lembranças mais organizadas (cinco, sei anos de idade) são permeadas pelo fascínio pela mímica, apresentada por minha mãe, com referências, é claro, a Marcel Marceau.

Nos anos 70, década em que nasci, Marceau passou pelo Rio de Janeiro, apresentando-se na Monsieur Pujol (casa de espetáculos do falecido Miele). Também teria quadros exibidos no “Fantástico”… O pantomimo estava no auge, o mundo se encantava, e eu, tão pequeno, simplesmente não sabia mas respirava tal encanto.

Como eu gostava de empurrar paredes invisíveis e sentir-lhes a forma! Foi natural que já maiorzinho, “criança anos 80”, tivesse, através deste gosto Marceaunesco o apreço por Michael Jackson, que à época lançava seu Moonwalker e os sucessos “Billy Jean”, “Bad” e “Thriller”. E não é que Michael também era fã de Marceau?

O “break-dance”, filho do soul e do funk, pai do Hip-hop e do Rap estava nascendo e eu comprava revistas que ensinavam o passo-a-passo de manobras, entre as quais me atraiam as que simulavam o “robô” – pura mímica dançada.

A adolescência veio e me distraiu com a descoberta do amor, com acampamentos, esportes, e com escola (a “má distração”)… Mas do coração a mímica nunca saiu.

Em 1997 tive minha grande oportunidade de assistir Marcel Marceau no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, e compreendi profundamente o sentido da materialização pelo vazio. O silêncio e o movimento me fizeram rir e chorar, e hipnotizado e agradecido, saí do teatro com uma lembrança eterna.

A mímica inspira a dança, e a dança inspira o Shiatsu

Nesse momento eu já praticava Shiatsu, e pouco depois estudei um pouco de ballet, jazz e sapateado, em paralelo com outras formações corporais terapeuticas. Conheci e tornei-me fã da obra do mestre Kazuo Ohno, da dança Butô (mesmo mais velho, Ohno fez aulas com Marceau, vejam só). E ao mesmo tempo, ao longo desses anos, segui estudando diversos trabalhos de contato corporal. Foi assim que passei pela massagem thai, o lomilomi, a massoterapia ocidental, espondiloterapia, ayurvedica, aromaterapia, drenagem linfática e outros. Mas foi o professor de Ohashiatsu Marco Duarte, bailarino, que me apontou o caminho para que eu encontrasse a dança dentro de minha terapia. Ohashi é o maior mestre vivo de Shiatsu, e trouxe para a terapia uma organicidade inédita, um sistema de movimentação que é base para todas as demais formas de expressão e estilos de Shiatsu fluídos.

Mesmo assim, mesmo com tantas formações, eu queria mais. Queria descobrir um corpo diferente daquele visto pela terapia, pois em minha área, chega a um momento em que sentimos como se todas terapias se repetissem – já não há nada novo, porque o corpo é um só, e no fim das contas, as terapias corporais são apenas variações de umas poucas fontes originais(1).

Para seguir crescendo, percebi que precisava ir para fora da terapia, precisava ir ao corpo são, ao corpo expressivo, às possibilidades ainda não exploradas… E lembrei da mímica. E foi ali que, na busca por ela, encontrei o mímico Alberto Gaus e o Solar da Mìmica. Descobri um outro gênero expressivo, e o trouxe para a terapia.

Foi assim que, aos poucos, a mímica em mim inspirou a dança, que fez imergir a terapia para dentro da alma; e a terapia, finalmente, se percebeu impossível fora do contexto de uma relação – da superfície da racionalidade e das palavras, à imensidão oceânica do inconsciente eu-outro. Se terapia é relação, se faço dela uma dança onde convido meus atendidos a dançar a Dança da Vida, então ela tem de ser boa e saudável para os dois envolvidos. Sobre isso, tenho insistido junto aos meus alunos: terapia não pode ajudar ao Outro e torna-lo doente! Essa percepção profunda tem sido uma das minhas bandeiras enquanto professor.

Em 2009, no Congresso Internacional de Shiatsu em Madrid, encantei-me com o ideograma “Odori” (dança) na versão Shodo de Kazuko Hagiwara. Arrematei a peça, então a venda, e desde então ela segue me inspirando no movimento de yin-yang.

Nessa mesma época, Sylvio Porto me mostrava, através de duras sessões de massagem e terapia reichiana, a arte da expressão da alma sem condicionamentos. Tais movimentos me permitiram uma sustentação para momentos pessoais muito difíceis.

Iniciava-se em minha vida um período de sofrimento, perdas na carne, reviravoltas na vida e nas relações. Mas também vieram novas descobertas, pessoas e possibilidades. Tudo muito intenso. Afinal, é na temperatura alta que se forja o aço e se fundem especiarias em novos sabores. Independente da dor e do prazer, lá estava minha mãe para seu eterno filho pródigo, com a sabedoria de seu silêncio acolhedor e cheio de arestas invisíveis, pantomímicas.

Por volta de 2010, minha “Fênix Interior”, minha identidade tal como eu havia construído, tão cheia de divisões, morrera para ressurgir com uma qualidade mais complexa.

Surgiu aí o encontro derradeiro da mímica-terapia-dança em mim, junto com a experiência um tanto inédita de integração-integridade psicoafetiva. No processo, aprendi mais sobre a ver, ouvir, expressar, e coloquei tudo na dança de minha terapia, a serviço das pessoas.

Não foi um processo rápido: Sete anos se passaram.

Em 2016, me fiz em silêncio, reduzi meus cursos e imergi em outra esfera de aprofundamento e maturidade. Iniciei a travessia de minha quadragésima década com a paz do reconcílio com meus referenciais masculinos e femininos. Mergulhei na pedagogia, e para ela, o terapeuta oferece o que sabe. Mas principalmente aprende para, quem sabe, deixar de existir – por tornar-se desnecessário. Odori mais uma vez me transportou, do butô para a mímica, da mímica ao butô, da somas destes para a terapia. Não há dança nem terapia que não seja relacional, e no movimento do silêncio operam-se transmutações das almas ali alinhadas. Expectador-Artista, Atendido-Terapeuta, expansões e recolhimentos encarnados a guardar um a semente do outro.

Seguirei recolhido em 2017 ou estarei pronto para uma nova expansão? Já não importa verdadeiramente. Importa-me o agora. Neste momento, a quietude me alcança,  e reencontro minha Mãe-Marcel_Marceau, após um dia de sessões em que danço, no chão e descalço, a dança da vida.

Posfácio

Um presente da minha mãe

Estamos em tempo de comemorar a possibilidade de existir da Sagrada Família, em cada lar. Através da imagem do nascimento, nossa cultura homenagem a chegada do novo, da esperança, e do ciclo de aprendizagem do casal através de seu abençoado filho.

Para mim, esse texto é sobre um filho que cresceu. E reconheceu. É um presente de Natal para mim mesmo e para minha mãe. E está estendido a vocês que me leem. Pequeno texto-memória-ensaio, está pleno de ternura em direção aos meus atendidos, tão vitais em minha caminhada. Através dele, saberão que, não fosse também por minha mãe, eu não poderia atende-los do jeito particular com que o faço. Muito obrigado a todos.

É a primeira vez que falo das influências dela no meu trabalho, aliás. Então o texto fica também como uma correção histórica. O sentimento de gratidão não costuma ser expressado em público para além dos prêambulos rituais dos livros… Mas quem sabe, essa homenagem poderá inspirar outros filhos a também agradecerem às suas mães? Tenho pessoalmente agradecido ela sempre, há anos. Porque não ia querer que aquela árvore generosa saísse desse mundo sem saber – mesmo que jamais me cobre.

Aqui, a gratidão se direciona a oportunidade que sua sensível alma me ofereceu lá atrás – e eu agarrei. Mas para as tantas outras coisas, que não caberia em texto ou livro nenhum, vale ser genérico: Obrigado por tudo mãe.

***

* Arnaldo V. Carvalho é terapeuta e trabalha na ilusória linha entre corpo-mente-energia.

(1). A consciência disso me fez ousar ao apresentar em 2007, no congresso internacional Fitness Brasil, um curso ensinando três técnicas “distintas”, utilizando a análise comparada para obter bons resultados.

 

Read Full Post »

Gravado ONLINE para o programa Ponto de Vida da TV ABCD, contei ao terapeuta e entrevistador Eugenio Yochida um pouco sobre a origem de meu trabalho, como funcionam algumas das técnicas que utilizo, e quais são minhas frentes de trabalho atuais.

Na pauta, inclui-se a naturopatia, as técnicas de controle mental, o Shiatsu Emocional, a psicoterapia corporal, a orientação aos pais grávidos e a importância de uma gestação e parto saudáveis para a saúde humana.

Imagem do programa Ponto de Vida: entrevista com Arnaldo V. Carvalho

A entrevista pode ser acessada diretamente pelo link: http://bit.ly/124dVEK

Espero que gostem e se motivem a seguir conhecendo mais sobre as terapias que funcionam pela observação dos mecanismos naturais da Vida, que basicamente são as que sigo.

Um abraço a todos os leitores do blog.

Arnaldo V. Carvalho

Read Full Post »

Escrevi esse texto no final de 2009 aos meus clientes. Espero que seja útil a todo aquele que busca por uma terapia, ou quer saber um pouco mais sobre o que uma terapia mista de abordagem corpo-mente pode fazer por alguém. De minha parte, sigo me esmerando em aprender mais e desenvolver-me como profissional e pessoa, oferecendo o que sou/estou aos meus clientes. Um abraço a todos, Arnaldo

 

Um tempo para o corpo e o coração
Compreenda o processo terapêutico e o que ele pode fazer por você!

Dar-se um tempo. Observar-se. Redescobrir sua própria força. Aparar arestas. Revisar a base. Torna-la firme. Resolver. Resolver. Resolver.

Quando alguém busca um profissional de saúde, seja para tratar uma dor de cabeça, seja para tratar um coração partido, está buscando tornar-se alguém melhor – nem que seja para que as dores cessem!

Dores no corpo, doenças, emoções, hábitos e atitudes… Cada passo que damos na vida gera conseqüências, e as conseqüências desses passos formam aquilo que somos, em termos de saúde física, mental, emocional. Mas com quem aprendemos nossos passos? Que impressão de mundo tivemos desde os primeiros tempos? Como foi que adquirimos a maneira de caminhar que hoje nos faz estar na exata condição em que estamos, com todas as nossas virtudes, defeitos, prazeres, desprazeres?

Fazer uma terapia é propor ao próprio corpo e mente que se resolva a caminhada. Não é fácil. Haverá dias em que o terapeuta nos chateia ao facilitar a aproximação em direção a fatos de nossa história que estariam bem guardados para que se impeça o sofrimento… Haverá outros em que o corpo se sentirá desorganizado, porque para arrumar as prateleiras de uma estante, as vezes é preciso tirar os livros do lugar.

Porém… Haverá o tempo necessário para se tornar forte e enfrentar aquilo que se escondia dentro de si, caixas de pandora que se não forem abertas, geram das hérnias ao câncer, dos maus sentimentos à uma vida com menos prazer. E pensar que escondemos nossos problemas justamente para evitar o sofrimento e o desprazer!

Quem opta por fazer uma terapia mista, que envolve corpo (não verbo) e mente (verbo), vivencia a possibilidade de atingir estruturas psíquicas que foram constituídas antes mesmo da estruturação verbal, neurolinguística, ao mesmo tempo em que se integra tal fenômeno imediatamente na mente estruturada do hoje.

Essa é a minha proposta para você, e para isso me preparei. Meus estudos em naturopatia, medicinas tradicionais e psicoterapias e terapias corporais diversas aconteceram pela noção de que um trabalho mais completo poderá ser realizado se pudermos agir nas diversas facetas humanas, não apenas em uma. O desafio de enfrentar as situações negativas da vida na real origem dos problemas é enorme: poderosas devem ser as ferramentas.

Ainda por isso é que é preciso no mínimo três meses de terapia continuada para que se possam observar os efeitos globais de um tratamento terapêutico. Claro que antes disso muitas dores e dissabores poderão desaparecer ou se aliviar; Porém, tenha a certeza, essa é uma etapa introdutória, básica, inicial do processo terapêutico – o início das obras de uma verdadeira reengenharia do ser.

Estar em processo terapêutico não significa apenas estar presente no momento das sessões. O processo terapêutico é algo que se iniciou quando surgiu, em você, a percepção da necessidade de mudanças e melhoras, e a isto se esboçou uma reação. Dessa feita, o processo terapêutico ocorre 24H por dia; A terapia formal fornecerá ferramentas para que se possa observar o processo e seja possível viver este processo de maneira consciente. Coloca à disposição da cura toda a plasticidade cerebral da qual o ser humano é capaz. As ferramentas que são desde a sessão terapêutica aos exercícios propostos para casa, além de possíveis suplementos, seguem pela semana reforçando as propostas de conscientização, mudança e reequilíbrio efetuadas ao longo da semana.

Finalmente, deixo aqui um pensamento de W. Reich, com o qual concordo e que define como compreendo para que fazemos terapia (sim, eu também me trato, sou gente, quero melhorar-me, e quero sentir plenamente a experiência de estar vivo!):

“Fui acusado de ser um utópico, de querer eliminar o desprazer do mundo e defender apenas o prazer. Contudo, tenho declarado claramente que a educação tradicional torna as pessoas incapazes para o prazer encouraçando-as contra o desprazer. Prazer e alegria de viver são inconcebíveis sem luta, experiências dolorosas e embates desagradáveis consigo mesmo. A saúde psíquica não se caracteriza pela teoria do nirvana dos iogues e dos budistas, nem pela hedonismo dos epicuristas, nem pela renúncia monástica; caracteriza-se, isso sim, pela alternância entre a luta desprazerosa e a felicidade, o erro e a verdade, o desvio e a correção da rota, a raiva racional e o amor racional; em suma, estar plenamente vivo em todas as situações da vida. A capacidade de suportar o desprazer e a dor sem se tornar amargurado e sem se refugiar na rigidez, anda de mãos dadas com a capacidade de aceitar a felicidade e dar amor.”

Wilhelm Reich (1942) em “Function Of The Orgasm – Vol 1 Of The Discovery Of The Orgone”, Ed. Farrar, Straus and Giroux, 1989

Read Full Post »


MEMÓRIAS DE REICH
Dr. Herskowitz relembra suas experiências com Wilhelm Reich

Tradução de Arnaldo V. Carvalho

 O Dr. Morton Herskowitz já não demora chega aos cem anos, e continua clinicando na Filadélfia. Nessa entrevista ele tinha 90 e relata várias memórias vividas com Reich. Boa leitura. Arnaldo

– A medida que se envelhece a memória fica menos aguçada. Então as coisas que eu lhe digo são as que melhor me lembro. Se eu cito Reich, pode não ser uma citação exata, porque depois de um longo período de tempo algumas coisas ficam alteradas. Mas eu dou a você minhas melhores memórias. Vou contar a você primeiro como eu cheguei na Orgonomia e como eu cheguei em Reich.

Um homem que era um estudioso nessa cidade quando eu estava na escola de medicina me disse – ele sabia que eu era interessado em psiquiatria – “Eu li um livro e acho que você se interessaria por ele”. E eu lhe disse: “Que livro é?”, e ele disse “Revolução Sexual, de Wilhelm Reich”. e eu respondi: “Ah, aquele cara, ele é pirado”. E ele disse: “Como você sabe que ele é pirado?”. Eu disse: “todo mundo sabe, é piradão!”. E ele disse: “Você não acha que devia ler o livro antes de dizer que ele é pirado?”. Soou-me razoável. Então eu li “Revolução Sexual”. E para pessoas que leem Revolução Sexual nos dias de hoje talvez não ele não provoque uma abertura da mente tão impressionante como provavelmente acontecia no tempo em que o li, bem no início dos anos 40. E naquela época eu estava pensando em ir fazer psicanálise e fui fazer compras próximo a um analista da cidade. E tinha tido cursos e ido a aulas de psicanalistas, mas até então eu sabia que eu ainda não tinha encontrado um em que pudesse confiar a mim mesmo para o trabalho.

E quando eu li “Revolução Sexual” lá estavam as respostas a tantas questões que eu tinha tido em meus estudos sem qualquer sucesso em encontrar respostas. Então “Revolução Sexual” foi um “abridor de mente” para mim, e depois dele eu li todos os livros de Reich disponíveis na época. E quando eu os terminei, eu pensei “esse é o homem com quem desejo fazer terapia”. Então liguei para Reich e ele estava em Forest Hills naquele momento, e nós marcamos uma sessão. E eu te digo: de tudo o que eu li a única coisa que eu não havia captado bem era o conceito de energia orgônica. Porque tendo sido treinado na ciência clássica, a energia orgônica era um conceito “selvagem”. Então planejei ir ver Reich deixando qualquer menção a energia orgone de fora da conversa. Porque a terapia que havia conhecido tinha sentido e eu queria fazer terapia com ele. Fui então ao seu consultório em Forest Hills no dia marcado.

PRIMEIRO ENCONTRO COM REICH

Naquele tempo, Reich vivia em Forest Hills, N.Y. Eu liguei e consegui um horário – isso era no final dos anos 40 – e fui ver o Dr. Reich. Ele vivia numa casa portentosa naquele tempo. então eu fui ao seu consultório em Forest Hills no dia da consulta. Minha primeira vista de Reich foi ele descendo as escadas do segundo andar; o feeling que qualquer um tinha era “esse homem é poderoso”, simplesmente pelo modo com que desce as escadas.

Você tem a sensação de que ele é uma usina de força. Então primeiro ele me perguntou: “Como você chegou aqui, o que você leu?”, e eu lhe disse que havia lido tudo o que estava disponível naquele momento. E a segunda pergunta foi: “O que você acha da energia orgone?” E eu disse: “Bem, parece muito estranha para mim”. E ele disse: “É claro que é estranho”. Ele disse: “Porque você foi treinado de uma maneira que é completamente diferente do modo como penso e da maneira com que as pesquisas sobre a energia orgone são dirigidas. E se você levar essa questão para trabalhar no laboratório, você fará os experimentos e vai descobrir por si mesmo se a energia orgone existe ou não.” E eu pensei que essa era uma resposta muito razoável. Por que de alguma maneira eu esperava que ele dissesse: “Não acredita na energia orgone? Então de o fora daqui!”. Mas ele foi muito razoável sobre isso. Minha impressão daquele homem era enorme, – minha primeira impressão era “este homem é uma usina de força”. Havia uma força nele que era inegavel. Então começamos a falar sobre meu histórico, treinamentos, o que eu havia lido, que sintomas eu tinha.

Então começamos a terapia. E um de seus recursos na terapia era: “você pode gastar quanto tempo quiser e eu posso coloca-lo para fora a qualquer hora que eu queira.” Isso também me pareceu razoável. Ficou imediatamente claro para mim que poderosa técnica era aquela. Ninguém que não tivesse estado em terapia poderia realmente apreciar por completo seu poder. Você deve te-la experienciado para verdadeiramente saber como funciona. Só você tendo experimentado para realmente saber o que acontece. E eu posso lembrar, que em muitas sessões em Forest Hills, cada vez que saia da sessão terapêutica e caminhava na direção do metrô, eu me sentia como nunca havia lembrado sentir. E flutuava. A terapia tornou-se muito mais importante do que eu havia assumido que fosse possível, porque até onde eu sabia, não estava mal emocionalmente. E por essa razão, presumia que a terapia era muito mais para propósito de treinamento. Inicialmente, a razão para buscar terapia foi principalmente para o propósito de treino, porque eu acredito que qualquer um que vai ser psiquiatra deve ter estado em terapia. Eu creio que qualquer um que vai para a psiquiatria deve estar em terapia. Então eu fiz aquele tipo de “aproximação acadêmica” a terapia. Mas estando na orgonoterapia, uma mente é rapidamente transformada. Porque coisas acontecem que você jamais poderia prever acontecer com você. Mas estando na Terapia Orgone, uma mente é rapidamente alterada, porque coisas acontecem que você jamais havia pressuposto acontecer com você.

O homem ele mesmo tinha uma força, uma energia, como ninguém que eu havia visto outrora.

Então em geral ela é uma experiência muito energizante [chocante].

INICIANDO A TERAPIA

Ele me disse, “Se eu estiver com você em terapia, você precisa concordar em assinar um papel dizendo que se eu quiser hospitalizar você, você será hospitalizado”. Eu não acreditava que aquilo poderia algum dia acontecer, mas eu pensei: “OK, eu assino”. De fato, ele nunca me deu um papel para eu assinar, eu nunca assinei papel nenhum. Ele também disse: “terapia é sempre provisória. Se eu decidir parar a terapia, ou se você decide parar a terapia, então assim será. Era um acordo provisório para nós dois, o que achei ser bem razoável. Outra coisa que ele disse foi: “Quando você vem para a terapia, você é paciente, não um trainee. Você é um paciente como qualquer outro paciente. Você pode tornar-se terapeuta, ou não. Nesse momento, você é um paciente”. Com o que eu concordei.

Ele tinha uma mente muito larga e era sempre sério. Ninguém falava trivialidade ou sobre pequenos lugares-comuns com Reich. Toda vez que alguém ia para uma sessão, endireitava-se emocionalmente e estava preparado para ser sério e tão profundo quanto conseguisse ser. Em terapia, eu entendi depois, que ele tinha um modo de lidar com os pacientes para como que mante-los fora de sua zona de conforto. Por exemplo, naquela época, eu pagava a ele $50.00 por uma sessão. Em uma de minhas sessões, ele disse que o atendimento passaria a custar $100.00 dali em diante. Eu disse “ok”, porque eu desejava pagar $200.00. Eu fui até sua esposa Ilse Ollendorf e dei a ela $100.00. Fui na sessão seguinte, e depois dela eu dei a Ms. Ollendorf os $100.00, e ela disse, , “Dr. Reich disse que o atendimento será $50.00 de agora em diante.” Então aquilo era um tipo de teste para ver se eu o achava valioso o suficiente para pagar $100.00 .

.

REICH FORA DA TERAPIA

Nos seminários ele era muito duro com os médicos. Algumas vezes ele podia ficar tão furioso – ele tinha uma fúria tal como eu jamais havia visto na vida.

Nos seminários ele era muito rígido em suas posições. E ele algumas vezes ficava tão furioso – e isso era furioso como eu nunca vi. Uma vez eu lembro que nós estávamos do lado de fora da sala e ele ficou tão furioso conosco e uma tempestade surgiu. E eu posso crer que há uma conexão entre a intensidade de sua fúria e aquela tempestade. Porque eu nunca havia visto aquela fúria e o trovão veio tão rápido que eu pensei que ele podia influenciar a atmosfera. E ele também podia ser muito gentil, muito carismático. Me lembro particularmente de uma vez, no final de um seminário em Orgonon que durou mais ou menos uma semana, nós tivemos uma festa e dançamos até o fim. E pensei que aquilo era muito interessante, nunca havia visto Reich naquele papel. E eu lembro de uma moça dizendo: “Estou tão assustada para ir nessa coisa.” Ela nunca conheceu Reich. Ele era a essência do cavalheirismo europeu. Como ele fez tudo menos beijar as mãos das mulheres. Ele foi somente gentil e atencioso, simplesmente um cavalheiro perfeito nesse tipo de situação. Sabe, quando eu o vi naquela situação e pensei naquelas tempestades que eu havia visto nele… Não é como dizer a essas mulheres: “Você deve vê-lo de vez em quando, ele não age assim sempre.”

EXPERIENCIAS EM TERAPIA

Em outra ocasião, minha terapia ia lenta por mais ou menos um mês, nós estávamos num período de calmaria. Nada estava acontecendo, e ele disse para mim: “Você está morto. Como você algum dia pensou em ser um terapeuta? Não há vida em você. Você nunca será um terapeuta”. Fiquei chocado, porque eu pensei que estava indo bem até então, e eu estava no caminho (de me tornar um terapeuta orgone psiquiátrico). Daquele dia em diante, eu não sabia mais se ele ia dizer “você pode fazer terapia” ou você não pode fazer terapia, até que vários meses depois, quando ele disse: “por que você não pega um cliente e começa a trata-lo, vem e fala comigo sobre isso”. Eu pensei, “ALELUIA! Eu consegui!”.

Mas ele mantinha a pessoa desbalanceada como aquilo para manter as coisas se movendo, e ele estava furioso como nenhum fúria eu nunca havia visto. Agora ele nunca demonstrava isso para mim em terapia. Em terapia, algumas vezes podia ser impaciente, mas ele nunca ficava irritado comigo enquanto paciente. Mas quando um grupo de terapeutas se reuniam lhes encaminhavam suas questões ou discutiam algo, e ele não percebia ninguém nem próximo da resposta, ele podia ficar muito, muito furioso. Em terapia, ele era ao mesmo tempo muito, muito suave. Quem fazia terapia com ele tinha um sentimento de que era completamente compreendido como tudo o que se pudesse ter feito era aceito, exceto trapaça ou o tipo de coisa da camada superficial. Eu vou te dar um exemplo disso. Uma vez eu li o livro Casper Houser sobre a criação de um “menino lobo”. Reich e eu falávamos sobre o desenvolvimento infantil e todas as coisas que podiam ir errado no desenvolvimento de uma criança. Então eu pensei, “Eu vou para minha próxima sessão tendo indicado que li Casper Houser, livro no qual a maioria dos americanos não leu, ele vai ficar impressionado com meu aprendizado internacional”. Eu cheguei e comecei a falar de Casper Houser, e ele disse, “isso não é pertinente”. Seu olhar disse, “não tente me impressionar desse modo, é tolo, não seja mané de novo aqui”. Então eu aprendi aquela lição. Aquele tipo de coisa ele não tolerava. Um de meus hábitos quando eu censurava material era fazer “um, um”, que ele sempre imitava. Quando pessoas fazem isso, é um grande mecanismo de defesa. quando alguém invariavelmente se concentra em ficar fazendo isso, pode ser muito irritante. Isso é que eu aprendi e me fez parar de fazer “um” e, secundariamente, expressar alguma de minha ira na direção dele. Em geral, terapia é uma experiencia eletrizante.

No meio do processo da minha terapia, Reich se mudou para Orgonon, em Maine. E ele disse: “Estou me mudando para Maine, você quer ir em outro terapeuta por aqui?” e eu disse: “Não, estou indo para Maine!” Então no meio da minha terapia eu fui a cada semana seguinte. Eu dirigia até lá sexta a noite. Naquele tempo as estradas não eram nada parecidas com as super highways que agora te levam a Maine. Aquelas estradas eram horríveis. E eu guiava por toda a noite na sexta para estar em Orgonon ou próximo por volta das seis da manhã, dormia por duas horas e então ia para uma sessão no sábado de manhã, então tinha outra sessão no domingo de manhã e então dirigia de volta para casa. E no meio do inverno, quando as pessoas daqui do sul não podiam dirigir nas estradas, e nem as pessoas de Maine conseguiam dirigir aquele tipo de carrinho de neve (snow) – então normalmente eu voava até Augusta e pegava carona até Orgonon, porque havia sempre caminhões de madeira seguindo para lá, então você sempre conseguia uma carona até Orgonon. Sempre considerei isso uma aventura. Nunca vi aquilo com qualquer tipo de apreensão do tipo: “Oh, agora eu tenho que ir para Maine!”. Sempre aguardava pelo final de semana quando eu ia para Maine sem me preocupar que tempo fazia. E quando alguém tem um paciente que vive 30 milhas distante que diz: “O tempo está muito ruim, eu não consigo ir hoje”, Eu sinto como: “Você não merece terapia.” Há uma anedota interessante sobre dirigir para Maine. Um dia Reich me disse: “Quanto tempo você leva para dirigir da Filadélfia para cá?” E eu disse: “Oh um pouco mais que doze horas” E ele disse: “Leva doze horas de New York.” E eu disse “É mas eu dirijo bem rápido.” Então ele disse: “Você tem o direito arriscar sua vida, mas não tem o direito de colocar a vida dos outros em risco. Então a menos que você leve doze horas mais o tempo da Filadelfia a New York, não se preocupe mais em vir”. Então, depois daquilo eu dirigi mais devagar, o que me tomou 14 horas para chegar a Maine, ao invés de doze horas.

.

Terapia com Reich como eu disse era de tirar o fôlego, houve momentos que era claramente atemorizante, e houve uma única vez que me veio a ideia de suicídio. Eu sabia que não queria fazer isso, mas por um curtíssimo período a ideia do suicídio entrou na minha cabeça. Isso foi depois de uma sessão com Reich e que foi uma experiência nova para mim, ter aquele tipo de sentimentos depressivos. Porque geralmente eu sou uma pessoa para cima. Não fico deprimido muito fácil. Em terapia, a coisa que era única em Reich era como ele sempre era extremamente preciso.

.

Ele simplesmente tinha uma incrível sensibilidade e perspicácia. Ele sabia exatamente aonde o paciente estava e ele sabia exatamente o que fazer para evocar o que tinha de ser evocado naquele momento. E quando ele o fazia, frequentemente dizia: “Você nunca vai fazer isso bem.” Algumas vezes dizia: “Eu sou o único orgonomista. Ninguém mais pode realmente fazer terapia.” E comparado a Reich, era verdade.

.

A essência da terapia com Reich era de total verdade. Ninguém poderia pensar em papo furado ou raso com Reich. Havia sempre uma atmosfera de seriedade profunda. Eu lembro, eu jogo tênis, Reich aparentemente jogara tênis também. E eu tenho um feeling de que adoraria jogar com ele, porque eu acho que poderia vence-lo, e eu adoraria vence-lo. Mas ele nunca me convidou para jogar tênis com ele, então eu nunca tive a oportunidade.

.

Ah, eu me lembro de outro incidente. Quando você está em terapia, quando as transferências negativas começam a ocorrer você faz todo tipo de bobagens. Então eu lembro uma vez que antes da minha sessão eu estava no andar de baixo e Reich em sua sala de jantar. E eu ouvi ele dizer a Peter, seu filho: “Cale-se.” Aquilo foi “milho pro meu moinho”. Então quando nós tivemos minha sessão eu disse: “Eu ouvi você falando com Peter e ouvi você dizendo ‘cale-se’ urgentemente. E eu não acho que é assim que alguém deve falar com uma criança.” Então ele me deu uma aula sobre como falar com uma criança. De fato, “cale-se” era o jeito mais direto de atingir o que ele queria com Peter naquele momento. E eu meio que sabia porque ele fez aquilo. Mas você faz coisas, você tenta irrita-lo. Porque ele pegou você. E você tenta revidar.

.

Outra vez eu ouvi o mais doce discurso entre ele e Peter. Peter queria saber porque soletra-se “knife” [faca] com “k”1. Ele disse que devia ser chamado “kneif” se você soletrar com “k”! Eu não lembro dos detalhes, mas Reich deu a ele o mais doce discurso sobre porque o “k” está na frente do “n” em “knife”. Esse tipo de coisa que estava quase aprendida mas que também o tipo de coisa que uma criança poderia compreender facilmente.

.

Nós tivemos uma sessão que é interessante comentar: Eu vinha de uma série de sessões vocalizando algum cinismo. Eu o acusei de exagerar um pouquinho, acredito. Naquele momento havia um monte de rumores dizendo que Reich era psicótico, que eu reportava a ele como coisas que tinha ouvido. Não como se eu acreditasse neles, mas apenas para reportar a ele. Então eu cheguei para uma sessão e ele tinha um rifle a descansar sobre uma lareira na sala onde ele me tratava. Ele pegou o rifle, apontou para minha cabeça e disse: “Eu sou psicótico!” Eu caí na risada porque o que ele queria ver era se eu acreditava nessas histórias ou estava meramente reportando-as para ele. E caí na risada porque aquilo me pareceu tão divertido – a ideia de um terapeuta colocando uma arma na cabeça do paciente. E aquilo era o que ele precisava. Como ele riu também, e depois colocou a arma de volta. É assim que Reich ia a algo. Ele não fazia rodeios. Ele queria ver se você acreditava que ele estava maluco. Ele deu a você uma ampla chance de provar que você pensava que ele estava maluco. Outra coisa interessante era: você sabe que havia um monte de blablabla sobre Reich ter se tornado psicótico próximo ao fim da sua vida. E durante uma de minhas sessões um aeroplano voou acima da cabeça. E ele disse: “Eisenhower está mandando seus aeroplanos me observarem” e eu disse: “Não creio.” E lhe disse: “Esse lugar está simplesmente no itinerário de vôo padrão de um aviador que está sobrevoando este local”. E ele disse: “talvez, simplesmente observemos”. Agora, aquilo não era reação de um psicótico. Um psicótico diz: “Eisenhower está mandando um aeroplano para me observar” e eu digo: “não, senhor, eu penso que é apenas um avião ordinário seguindo seu roteiro padrão”., ele não diria “talvez você esteja certo”. Ele empunharia suas armas. E o negócio todo da psicose de Reich: e eu acredito mesmo que muitas das ideias que ele expressou mais para o fim de sua vida eram exageradas, sem solidez, não realistas, mas eu não atribuo isso a psicose. Atribuo aquilo ao tipo de pensamento que Reich teve por toda a sua vida. Eu acho que Reich realmente foi um dos verdadeiros gênios desse mundo. Acredito que pessoas como ele pensam explorando todo tipo de ideias que nunca foi visível para nós; eles impulsionam ideias além dos limites que nós poderíamos pensar. E por causa disso ele foi botando para fora tantas de suas ideias maravilhosas, mas junto dessas ideias maravilhosas havia também essas ideias estranhas, as quais nós que utilizamos apenas o senso comum e estamos sempre cuidando de sermos “corretos” não poderíamos trazer. Mas ele chegava naquilo, tanto em direção positiva como negativa. E eu penso na ideia de Eisenhower protege-lo era uma ideia exagerada na direção negativa. Mas era um tipo de pensamento.

.

Um incidente do tipo de coisa que poderia acontecer com ele: uma vez ele escreveu um artigo no jornal e eu li o artigo do caminho da minha sessão. Ele me perguntou-me se eu tinha lido o tal artigo e eu disse que sim. E ele me perguntou o que eu achei. Eu disse a ele que fiquei muito impressionado, que aprendi muita coisa, etc. “Mas”, adicionei, “você cometeu alguns erros gramaticais muito ruins no seu inglês”. Ele me disse, “eu te peguei no meu avião, e te mostrei coisas que você nunca tinha visto antes, e você me diz, ‘ah é um belo vôo, mas você sabe que você instalou o assoalho incorretamente. Você não colocou direito os preguinhos no assoalho do seu avião”. Eu acho que Reich veio a essas áreas porque ele era um homem que usualmente pensava de maneiras que a maioria de nós não pensa.

O JULGAMENTO

Nunca conheci outro homem em minha vida com tamanha força e vontade e movimento e espírito. Reich sempre pensou-se a si mesmo como uma figura histórica. É interessante que, por exemplo, em seu julgamento, seu julgamento era praticamente uma farsa porque alguns juiz proferiu uma liminar que Reich desobedeceu claramente. Então o julgamento era: “Reich desobedeceu a liminar ou não?” Várias vezes ao longo do julgamento, Reich admitia que desobedeceu a liminar. Então ele foi dizer ao juiz porque desobedeceu a liminar. Por exemplo, a liminar dizia que Reich declarava que ele curou câncer em seu citado livro “Biopatia do Câncer”. Agora, em todos os casos citados no livro, o paciente morria. Obviamente as pessoas que prepararam esse caso contra Reich fizeram um trabalho muito pobre porque dizer que Reich declara que cura e o paciente morre no livro é idiota. Essa era a questão e Reich, ao invés de responder a liminar, enviou ao juiz todos os seus livros, o que era uma loucura. Você não espera que um juiz leia todos os seus livros, mas Reich sim. Reich dizia “leia isso e veja se essa liminar é válida”. Então ele foi a julgamento, e o julgamento foi terrível, porque Reich admitiu desobedecer a liminar, que foi a única coisa para a qual eles se atentaram.

.

Houve algo mais que pensei. Oh isto diz sobre Reich. Eu estive em todo o julgamento em Maine. Um dia, no julgamento, as coisas estavam indo muito mal para Reich. Eu parei num corredor e pensei, “ele vai ser massacrado pelo jeito que o julgamento correu essa manhã”. E nessa sessão – era um momento de grande stress, todos os dias de julgamento eram um stress enorme -, num intervalo, estávamos por ali conversando e ele apontou para mim e disse: “chegue aqui, quero falar com você”. Então eu fui. Eu tinha escrito um artigo num dos jornais orgonômicos. E ele disse: “o jeito que você escreveu tal e tal coisa não ficou tão bom quanto você poderia ter escrito. Eu havia escrito um artigo sobre uma resenha de um dos livros do Reich que alguém havia feito. Um psiquiatra que resenhou um dos livros de Reich de maneira muito desfavorável; Eu escrevi sobre aquela resenha. Ele veio a mim após o final daquela terrível sessão na corte e disse, “”sabe esse artigo que você escreveu? Ele nos atingiu na cabeça com uma clava e você o golpeou o pulso.” Eu pensei, “Meu Deus, um dia como esse, quando você está para ir para prisão, e claro, tudo o que você pensa é que o artigo que eu escrevi foi muito suave com o resenhista.” [“Jesus Cristo. Aqui está este homem em defesa de sua vida e ele está preocupado em como eu coloco algo num artigo.”]2 E eu pensei que aquilo era realmente uma indicação de um homem, que aquele momento era tão importante para ele quanto como seu julgamento que estava correndo. Ele estava de fato em liberdade condicional, mas estava preocupado em como eu estava escrevendo um artigo. Aquele era Reich, bem como o fato de que ele era uma figura histórica que estava lutando pelo direito de um cientista desenvolver seu trabalho em paz.

.

O fato de que a liminar era o problema, para ele, era nada mais que um pedaço de papel, um pedaço de papel sem importância, e ele não queria lidar com isso.

Durante o processo, eu fui um dos que estavam em desacordo com a maneira como ele estava conduzindo o julgamento. Eu achava que ele deveria ter um advogado conduzindo o seu caso ao invés dele conduzindo. Penso que ele deveria ter utilizado os argumentos jurídicos em vez dos argumentos que ele usou. O que não é a mesma que dizer que ele agia errado, porque ele se via como uma figura histórica que estava construindo um marco histórico. E para fazer isso é que ele conduziu o julgamento dessa maneira. Se eu estivesse na pele dele eu ia querer escapar da cadeia, eu ia querer ser livre, etc. Eu teria conduzido o julgamento numa base estritamente jurídica, porque os advogados disseram “Nós podemos vencer este caso para você. O caso é tão corriqueiro então quando você nos deixar fazer nosso papel nós podemos livra-lo disso.” Mas ele não deixava. Não era nada do que ele não fosse antes. E desde aquele tempo – Eu tinha sido advertido por pessoas que ensinavam o direito – que aquele caso era levado ocasionalmente as salas de aula com o caso em que o lado do FDA era tão fraco e o caso era presumivelmente tão puramente de um ponto de vista legal, que ele é praticamente como um caso clássico mal manejado. Eu nunca o vi depois que ele foi para a prisão. Houve poucos visitantes, e as únicas pessoas que o visitavam eram os de sua família direta. Então não tive mais contato com ele após a prisão.

.

Tradução e Adaptação de Arnaldo V. Carvalho

Notas de tradução

1. kneif (faca) pronuncia-se “náif”.

2. As duas versões da entrevista são bastante diferentes em alguns pontos. Nesse momento da entrevista, preferi colocar entre colchetes o que seria a segunda versão do mesmo pensamento. Fica minha dúvida sobre o Dr. Herskowitz recontou a mesma história em entrevistas diferentes ou se houve transcrição com adaptação livre. A mesma emoção, palavras levemente diferentes.

Atenção: Essa é uma tradução livre, onde foram unificadas duas versões da mesma entrevista. As traduções não são autorizadas pelos proprietários que detém todos os seus direitos.

Matéria original:

http://www.examiner.com/health-in-philadelphia/secrets-to-longevity-profile-of-morton-herskowitz-d-o-at-90

 

Entrevista com Morton Herskowitz., pelo Orgonomic Video Archiv. esta entrevista foi gravada por John Joachim Trettin no verão de 1989 na residência de Morton Herskowitz, na Philadelphia. A página original onde ela está foi criada por Beate Freihold, que também tirou as fotos. Os direitos da entrevista são de John Joachim Trettin.

Read Full Post »

%d bloggers like this: