Os poderes da mente, o Shiatsu e Caruarú

Ontem mesmo conversava com a amiga Mercedes sobre o quanto lugares se tornam importantes na vida da gente, e porque. Compartilhamos a ideia de que o principal de qualquer lugar amado são as pessoas. É por elas que me movo. Me comovo. E através delas, me renovo. Um desses lugares cheios de gente inesquecível é Caruarú. É terra que amo, onde muitas pessoas que mesmo que só tenha visto poucas ou mesmo uma vez na vida estão mais próximos de mim emocionalmente que tanta gente que vejo todo dia. É incondicional. Viverá e morrerá comigo.

Quanta saudade de Caruarú e seus arredores, da Capital do Agreste com sua gente calorosa, verdadeira e amiga. Saudade de cozinhar na cozinha de Corrinha, de pegar moto-taxi, de tomar sorvete no centro, das feiras, do forró que nunca aprendi, do ônibus para Garanhuns (e lá do violão, do Kempermóvel e nossa trupe a ver o sol cair entre barrigudas, palmas e mandacarús e bois distantes de olho na gente), do consultório arco-íris de Socorro, do big bagunça, das tapiocas e nhames e queijos, do nosso restaurante . Saudade dos amigos do Seec, da Monica, do Bem Viver e do Bonna Petit (e suas donas fantásticas e tão queridas!), da incansável Monica e sua família maravilhosa, do menino pobre a pedir confeito na cantina, da Tamara e sua familia, do bolo de beterraba da mãe da Claudia, do meu amigo Junior que ia e voltava de Paulista para lá só para ver seu grande amor… O tempo passou, tudo muda, tudo se ajeita, quase tudo acaba, mas para acabar essas memórias, esse amor e essa saudade, só mesmo quando meu coração parar.

Enquanto isso, enquanto a vida não sopra seus ventos um na direção do outro, ficamos com velhas recordações. Compartilho aqui uma delas, uma entrevista dividida em cinco partes, a respeito do curso de Shiatsu e Controle Mental que ministrei em 2006 nessa terra santa.

Espero que gostem.

Arnaldo

PS: Esse Universo inteiro de pessoas e energias focalizadas em Caruarú chegou até a mim por Socorro Alves. Gratidão eterna.