De passagem por Guaíba (Impressões Gaúchas 1)

De passagem por Guaíba

Arnaldo V. Carvalho

Sim, eu fui mais uma vez ao Sul. Dessa vez, decidi compartilhar com quem não é de lá um pouco do que vi e vivi, de palavrinhas curiosas a imagens que dizem por si.

Chegar em Porto Alegre é uma alegria para mim, com exceção da fumaça de cigarro, que teima em me perseguir quando chegam, de modo que fica até parecendo que o povo de lá fuma mais que o daqui (acho que dei foi azar).

Fora isso, sou recebido sempre com cordialidade, e me alegra perceber que por lá o movimento é intenso, mas com uma dose de tranquilidade que já não vejo há muito nas capitais do sudeste.

Mas meu destino final não era a capital, mas a pequena vizinha Guaíba, e ao dia seguinte, Santa Maria onde daria curso.

O aeroporto de Porto Alegre é relativamente bem integrado com os demais sistemas de transporte da cidade, de modo que basta pegar um trem para se deslocar fácil de lá aos outros locais principais da cidade, incluindo a rodoviária, para onde fui comprar minha passagem para Santa Maria. Lá, me aguardava minha mana Cristina. É daquelas pessoas que não importa que anos passem, nada se modifica no reencontro.

Juntos, caminhamos da rodô a estação hidroviária, onde se pega um catamarã até Guaíba. De um lugar a outro, cruzamos o centro, coração da cidade. E nessa pequena caminhada começamos o tour fotográfico que aqui segue. Fiz questão de fotografar a criatividade do cabelereiro que batizou seu salão de “Mãos de Tesoura” e o grande chip de celular do grêmio (os amigos colorados brigaram comigo por causa dessa foto). Lá no fundinho da foto tem uma menina que trabalhava na mesma campanha, fazendo embaixadinhas mil. Super fera. Não resisti a perguntar: “mas então você torce mesmo pro grêmio?”, e a surpresa: “não, sou Inter mas fazer o que né”. Ponto pros vermelhinhos.

Esse caminho, que basicamente é uma rua comprida, é mesmo curioso. De cinema pornô daqueles bem das antigas, passando por comércio popular, feira livre de primeira, construções antigas do século passado e modernosos prédios, tudo convivendo com uma harmonia própria. Chegamos à hidroviária.

É uma estação muito pequenina comparada a do trajeto Rio-Niterói, que tenho tanto costume de fazer. E a lancha é pequenina. Mas tudo é muito organizado, limpo, confortável. E tem Internet!

Imaginei-me um guaibense a atravessar todos os dias para o trabalho. Voltar para casa em um por-do-sol sobre o belo e caudaloso rio guaíba. Nada mal.
Que delícia de lugar, um sossego, do lado de uma imensa cidade grande.

Não fossem os panfletos chamando as pessoas para conhecer as atrações históricas, talvez se pensasse que a cidade seria mesmo apenas para se descansar e viver em paz. Não que não seja. Mas Guaíba foi o palco da trama que deu origem a Revolução Farroupilha, e isso muda as coisas.

Visitar o imenso e secular cipreste sob o qual os revolucionários teciam seus planos, bem de frente para a casa de Gomes Jardim, é obrigatório.
A rua de Cristina não fica muito longe do outro lado. E lá fui aprendendo sobre algo que adoro: comidas típicas.

Na padaria não se vende geleia, mas chimia (que depois descobri ser uma adaptação da palavra geleia em alemão). Requeijão é coisa sem graça: O negócio é colocar nata (creme de leite fresco) no pão com a chimia. Cada um tem sua preferência do doce: goiaba, figo, uva, e vários outros.

Outra coisa que vai bem no lanchinho é a vovó sentada, biscoitinho em formato de “L”, e ainda o pãozinho . Na vendinha da esquina se compra tudo isso com facilidade, além de algumas frutas, como a banana caturra, a nossa banana d’água.

O silêncio, os passarinhos curiosos, a mais pura paz. Guaíba e seu calçadão de frente ao belo rio onde os jovens namoram, sua praça em frente a igreja onde os velhos jogam (quando muito), seus bairros cheios de verdes e quintais parados no tempo.

Com tanta riqueza simples, a cidade ainda me agraciou com uma última história que me impressionou tanto que me fez mudar muito da minha maneira de pensar. É que lá conheci uma senhora que teve muitos filhos, e quando eles eram crianças, vivia numa grande casa no centro de um grande lote. A aconchegante casa de madeira viu os filhos crescerem e envelheceu com eles. A medida que iam casando e tendo suas vidas, a velha senhora, hoje viúva, nunca teve dúvidas: foi encolhendo a casa, desmontando um cômodo após o outro. Hoje, há filhos que moram pertinho, outros longe. E a casa que antes reunia a todos agora cabe inteirinha na antiga cozinha. “pra que mais, para ter trabalho?” dizia ela… E o quintal que era enorme ficou ainda maior, para ela seguir fazendo o que mais gosta: cuidar das plantas, essas filhas que nunca se vão.

É ou não é um verdadeiro sonho de desconsumo?

Gratidão Guaíba. Cuide sempre muito bem de seus filhos. Estarei de volta em breve.

***

Anúncios

““Eu vi a tarde correndo atrás de um cachorro”. Pequena seleta poética de Manoel de Barros

“Em poesia a razão é acessório”

Nascido em Cuiabá em 19 de dezembro de 1916, Manoel de Barros  é considerado um dos maiores poetas vivos do país. Recebeu os mais importantes prêmios literários brasileiros, entre eles dois Jabutis, dois Nestlé, um prêmio da ABL e ainda um da Biblioteca Nacional.

Posto aqui pequena seleta poética de sua obra. Para mim, ele é eloqüente a moda brasileira, brinda a natureza com um mix de autenticidade a Guimarães Rosa e simplicidade dos Haicais japoneses. Pitadas quintanescas e tio manoelinas… Desfrutem a vontade.

http://carmezim.files.wordpress.com/2009/06/manoel-de-barros2.jpg“O que eu gostaria de fazer é um livro sobre nada. Foi o que escreveu Flaubert a uma sua amiga em 1852. Li nas Cartas exemplares, organizadas por Duda Machado. Ali se vê que o nada de Flaubert não seria o nada existencial, o nada metafísico. Ele queria o livro que não tem quase tema e se sustente só pelo estilo. Mas o nada de meu livro é nada mesmo. É coisa nenhuma por escrito: um alarme para o silêncio, um abridor de amanhecer, pessoa apropriada para pedras, o parafuso de veludo, etc, etc. O que eu queria era fazer brinquedos com as palavras. Fazer coisas desúteis. O nada mesmo. Tudo que use o abandono por dentro e por fora”.

ESSA FUSÃO COM A

natureza tirava minha
liberdade de pensar.
Eu queria que as
garças me sonhassem.
Eu queria que as
palavras me
gorjeassem. Então
comecei a fazer
desenhos verbais de
imagens. Me dei bem.
Perdoem-me os
leitores desta entrada
mas vou copiar de
mim quatro desenhos
verbais que fiz para
este livro. Acho-os
como os “impossíveis
verossímeis” do nosso
mestre Aristóteles.
Dou quatro exemplos:
1) É nos loucos que
grassam luarais; 2) Eu
queria crescer pra
passarinho; 3) Sapo é
um pedaço de chão
que pula; 4) Poesia é
a infância da língua.
Sei que os meus
desenhos verbais
nada significam.
Nada. Mas se o nada
desaparecer a poesia
acaba. Eu sei. Sobre o
nada eu tenho
profundidades.

Trecho da apresentação de Manoel de Barros para sua “Poesia completa”

EU QUERIA FAZER PARTE DAS ÁRVORES COMO OS
pássaros fazem.
Eu queria fazer parte do orvalho como as
pedras fazem.
Eu só não queria significar.
Porque significar limita a imaginação.
E com pouca imaginação eu não poderia
fazer parte de uma árvore.
Como os pássaros fazem.
Então a razão me falou: o homem não
pode fazer parte do orvalho como as pedras
fazem.
Porque o homem não se transfigura senão
pelas palavras.
E isso era mesmo.

Poema de “Menino do mato”, de Manoel de Barros

NA­DAS

“Sei que os meus de­se­nhos ver­bais na­da sig­ni­fi­cam. Na­da. Mas se o na­da de­sa­pa­re­cer a poe­sia aca­ba. Eu sei. So­bre o na­da eu te­nho pro­fun­di­da­des. Des­co­bri aos 13 anos que o que me da­va pra­zer nas lei­tu­ras não era a be­le­za das fra­ses, mas a doen­ça de­las. Co­mu­ni­quei ao Pa­dre Eze­quiel, um meu pre­cep­tor, es­se gos­to es­qui­si­to. (…) Ele fez um lim­pa­men­to em meus re­ceios. Ma­noel, is­so não é doen­ça, po­de mui­to que vo­cê car­re­gue pa­ra o res­to da vi­da um cer­to gos­to por na­das… E se riu. Vo­cê não é de bu­gre? – ele con­ti­nuou. Que sim, eu res­pon­di. Ve­ja que bu­gre só pe­ga por des­vios, não an­da em es­tra­das – Pois é nos des­vios que en­con­tra as me­lho­res sur­pre­sas e os ar­ti­cuns ma­du­ros. Há que ape­nas sa­ber er­rar bem o seu idio­ma. Es­se Pa­dre Eze­quiel foi o meu pri­mei­ro pro­fes­sor de gra­má­ti­ca.”

SA­BE­DO­RIA

“Pa­ra apal­par as in­ti­mi­da­des do mun­do é pre­ci­so sa­ber: a) Que o es­plen­dor da ma­nhã não se abre com fa­ca; b) O mo­do co­mo as vio­le­tas pre­pa­ram o dia pa­ra mor­rer; c) Por que é que as bor­bo­le­tas de tar­jas ver­me­lhas têm de­vo­ção por tú­mu­los; d) Se o ho­mem que to­ca de tar­de sua exis­tên­cia num fa­go­te tem sal­va­ção; e) Que um rio que flui en­tre 2 ja­cin­tos car­re­ga mais ter­nu­ra que um rio que flui en­tre 2 la­gar­tos; f) Co­mo pe­gar na voz de um pei­xe; g) Qual o la­do da noi­te que ume­de­ce pri­mei­ro. Etc. Etc. Etc.”

POE­SIA

“No Tra­ta­do das Gran­de­zas do Ín­fi­mo es­ta­va es­cri­to: Poe­sia é quan­do a tar­de es­tá com­pe­ten­te pa­ra dá­lias. É quan­do ao la­do de um par­dal o dia dor­me an­tes. Quan­do o ho­mem faz sua pri­mei­ra la­gar­ti­xa. É quan­do um tre­vo as­su­me a noi­te. E um sa­po en­go­le as au­ro­ras.”

PRIN­CÍ­PIO

“No des­co­me­ço era o ver­bo. Só de­pois é que veio o de­lí­rio do ver­bo. O de­lí­rio do ver­bo es­ta­va no co­me­ço, lá on­de a crian­ça diz: Eu es­cu­to a voz dos pas­sa­ri­nhos.”

CON­JEC­TU­RAS

“As coi­sas que não têm no­me são mais pro­nun­cia­das por crian­ças.”

“A gen­te é ras­cu­nho de pás­sa­ro. Não aca­ba­ram de fa­zer…”

ÁGUAS

“Es­cu­to o meu rio: é uma co­bra de água an­dan­do por den­tro de meu olho.”

“Mi­nha bo­ca es­ta­va se­ca igual do que uma pe­dra em ci­ma do rio.”

“Um gran­de rio de poe­sia atra­ves­sa-me, do­ce…”

“A he­ra ves­te meus prin­cí­pios e meus ócu­los. Só sei por ema­na­ções por ade­rên­cia por in­crus­ta­ções. O que sou de pa­re­de os ca­ra­mu­jos sa­gram. A uma pe­dra­da de mim é o lim­bo. Nos mon­tu­ros do poe­ma os uru­bus me far­reiam. Es­tre­la é que é meu pe­na­cho! Sou fu­ga pa­ra flau­ta e pe­dra do­ce. A poe­sia me des­bra­va. Com águas me ali­nha­vo.”

“A água é ma­du­ra. Com pe­nas de gar­ça. Na areia tem raiz de pei­xes e de ár­vo­res. Meu cór­re­go é de so­frer pe­dras, mas quem bei­jar seu cor­po é bri­sas…”

“No chão da água lua­va um pás­sa­ro por so­bre es­pu­mas de ha­ver es­tre­las. A água es­cor­ria por en­tre as pe­dras um chão sa­ben­do a aro­ma de ni­nhos. (…) Ár­vo­res com o ros­to ar­reia­do de seus fru­tos ain­da chei­ra­vam a ve­rão. Du­ran­te bor­bo­le­tas com abril es­se cór­re­go es­cor­reu só pás­sa­ros…”

CON­VER­SA

“Vo­cê brin­cou de mim que uma bor­bo­le­ta no meu de­do ti­nha sol? Vo­cê ia pe­gar ago­ra o que fu­giu de meu ros­to ago­ra? Na bei­ra da pe­dra aque­le car­deal, vo­cê viu? Fez um lin­do ni­nho es­con­di­do bem pa­ra a gen­te não ir apa­nhar seus fi­lho­tes, que bom. Ó meu car­deal, vo­cê não é um su­jei­to bro­coió à toa! Vo­cê é um pas­sa­ri­nho atra­ves­sa­do…”

————————————————————-

A maior riqueza do homem
é a sua incompletude.
Nesse ponto sou abastado.
Palavras que me aceitam como
sou – eu não aceito.
Não agüento ser apenas um
sujeito que abre
portas, que puxa válvulas,
que olha o relógio, que
compra pão às 6 horas da tarde,
que vai lá fora,
que aponta lápis,
que vê a uva etc. etc.
Perdoai
Mas eu preciso ser Outros.
Eu penso renovar o homem
usando borboletas.

* * *

“Por viver muitos anos dentro do mato
moda ave
O menino pegou um olhar de pássaro –
Contraiu visão fontana.
Por forma que ele enxergava as coisas
por igual
como os pássaros enxergam.
As coisas todas inominadas.
Água não era ainda a palavra água.
Pedra não era ainda a palavra pedra.
E tal.
As palavras eram livres de gramáticas e
podiam ficar em qualquer posição.
Por forma que o menino podia inaugurar.
Podia dar às pedras costumes de flor.
Podia dar ao canto formato de sol.
E, se quisesse caber em uma abelha, era
só abrir a palavra abelha e entrar dentro
dela.
Como se fosse infância da língua”.

BARROS, Manoel de. Poemas rupestres. Rio de Janeiro: Record, 2004.

http://2.bp.blogspot.com/_3Ojximob-0A/SDDJ90rkV3I/AAAAAAAACK0/7uPWwHJY0QA/s400/manoel%2Bde%2Bbarros%2B(desenho).jpg