Grande Sertão: variações – Imersão na obra de Guimarães Rosa inspirada pela música do século XX

Alexandre Moschella

violão e narração

Não perca esta viagem musical pelo grande sertão em Garanhuns!

 Grande Sertão: Variações

Uma viagem musical pela obra de Guimarães Rosa.

Com o premiado violonista clássico Alexandre Moschella.

No Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti – Teatro Luiz Souto Dourado – Antiga Estação Ferroviária – Centro

Sábado, 14 de maio, 19h

Domingo, 15 de maio, 15h

ENTRADA FRANCA

Qual música está dentro do grande sertão?

Qual é o grande sertão que está dentro da música?

O espetáculo grande sertão: variações é uma viagem por palavras e sons. As palavras vêm do romance ‘Grande Sertão: Veredas’, do escritor mineiro João Guimarães Rosa (1908-1967). No livro, o ex-jagunço Riobaldo conta suas aventuras guerreiras e espirituais, em uma linguagem profunda e criativa. A obra é um universo infinito de atmosferas e sensações. Às vezes, as palavras são tão bem escolhidas e organizadas pelo escritor que sugerem música.

No espetáculo, o jornalista e músico Alexandre Moschella alterna a leitura de trechos do livro com a apresentação de peças clássicas para violão escritas por compositores contemporâneos de Guimarães Rosa.

Muitos elementos aproximam texto e música. Pode ser uma indicação direta: o Prelúdio número 1 de Villa-Lobos leva o subtítulo de “Homenagem ao sertanejo”, personagem central da obra rosiana. Pode ser um parentesco sonoro: as sílabas “ser-tão” encaixam-se perfeitamente nas duas primeiras notas do Prelúdio número 1. Ou ainda a sugestão cênica, como o ritmo endiabrado de Elogio de la Danza, de Leo Brouwer, acompanhando uma das imagens mais fortes da obra de Guimarães Rosa: “O diabo na rua, no meio do redemunho.” A melhor associação, no entanto, é aquela que não se explica pela técnica ou pelo intelecto, mas se revela sem avisar no universo sonoro, tal uma magia rosiana – na entrelinha do texto ou no silêncio entre as notas.

O que você escuta entre as palavras? E nas pausas da música? Pode ser o mistério do grande sertão e suas veredas. Riobaldo, o herói do livro, diz: “O sertão está em toda a parte”.

Também podemos dizer: “O som está em toda a parte”.

PROGRAMA

Heitor Villa-Lobos (Brasil, 1887-1959)

Valsa-Choro

Convite à viagem pelo sertão. Convite ao sonho.

________________________________________________________

Heitor Villa-Lobos

5 Prelúdios

Prelúdio n. 1 – “O sertão está em toda a parte.”

Prelúdio n. 2 – O singelo encontro com uma prostituta… que tem todos os dentes.

Prelúdio n. 3 – “Saudades, dessas que respondem ao vento; saudade dos Gerais.”

Prelúdio n. 4 – Cruzando a terra árida.

Prelúdio n. 5 – O amor, o medo, a coragem. Estamos perto do que é nosso, mas não sabemos.

________________________________________________________

Marlos Nobre (1939)

Momentos I

Rastejando no mato, preparando a emboscada.

________________________________________________________

César Guerra-Peixe (1914-1993)

Prelúdio n. 4

Prelúdio n. 5

“O diabo não há! (…) Existe é homem humano. Travessia.”

_______________________________________________________

Leo Brouwer (Cuba, 1939)

La Espiral Eterna

“Tudo o que já foi, é o começo do que vai vir.”

________________________________________________________

Leo Brouwer

Elogio de la Danza

“O diabo na rua, no meio do redemunho…”