Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘poema’

O VERBO NO INFINITO

 

Ser criado, gerar-se, transformar

O amor em carne e a carne em amor;

Nascer, respirar, e chorar, e adormecer

E se nutrir para poder chorar

Para poder nutrir-se; e despertar

Um dia luz e ver; ao mundo e ouvir

E começar a amar e então sorrir

E então sorrir para poder chorar.

E crescer, e saber, e ser, e haver

E perder, e sofrer, e ter horror

De ser e amar, e se sentir maldito

E esquecer tudo ao vir um novo amor

E viver esse amor até morrer

E ir conjugar o verbo no infinito…

 

(Vinícius de Moraes)

Eu pararia no sétimo verso. Mas… possivelmente estaria morto. (Arnaldo V. Carvalho)

Read Full Post »

“Em poesia a razão é acessório”

Nascido em Cuiabá em 19 de dezembro de 1916, Manoel de Barros  é considerado um dos maiores poetas vivos do país. Recebeu os mais importantes prêmios literários brasileiros, entre eles dois Jabutis, dois Nestlé, um prêmio da ABL e ainda um da Biblioteca Nacional.

Posto aqui pequena seleta poética de sua obra. Para mim, ele é eloqüente a moda brasileira, brinda a natureza com um mix de autenticidade a Guimarães Rosa e simplicidade dos Haicais japoneses. Pitadas quintanescas e tio manoelinas… Desfrutem a vontade.

http://carmezim.files.wordpress.com/2009/06/manoel-de-barros2.jpg“O que eu gostaria de fazer é um livro sobre nada. Foi o que escreveu Flaubert a uma sua amiga em 1852. Li nas Cartas exemplares, organizadas por Duda Machado. Ali se vê que o nada de Flaubert não seria o nada existencial, o nada metafísico. Ele queria o livro que não tem quase tema e se sustente só pelo estilo. Mas o nada de meu livro é nada mesmo. É coisa nenhuma por escrito: um alarme para o silêncio, um abridor de amanhecer, pessoa apropriada para pedras, o parafuso de veludo, etc, etc. O que eu queria era fazer brinquedos com as palavras. Fazer coisas desúteis. O nada mesmo. Tudo que use o abandono por dentro e por fora”.

ESSA FUSÃO COM A

natureza tirava minha
liberdade de pensar.
Eu queria que as
garças me sonhassem.
Eu queria que as
palavras me
gorjeassem. Então
comecei a fazer
desenhos verbais de
imagens. Me dei bem.
Perdoem-me os
leitores desta entrada
mas vou copiar de
mim quatro desenhos
verbais que fiz para
este livro. Acho-os
como os “impossíveis
verossímeis” do nosso
mestre Aristóteles.
Dou quatro exemplos:
1) É nos loucos que
grassam luarais; 2) Eu
queria crescer pra
passarinho; 3) Sapo é
um pedaço de chão
que pula; 4) Poesia é
a infância da língua.
Sei que os meus
desenhos verbais
nada significam.
Nada. Mas se o nada
desaparecer a poesia
acaba. Eu sei. Sobre o
nada eu tenho
profundidades.

Trecho da apresentação de Manoel de Barros para sua “Poesia completa”

EU QUERIA FAZER PARTE DAS ÁRVORES COMO OS
pássaros fazem.
Eu queria fazer parte do orvalho como as
pedras fazem.
Eu só não queria significar.
Porque significar limita a imaginação.
E com pouca imaginação eu não poderia
fazer parte de uma árvore.
Como os pássaros fazem.
Então a razão me falou: o homem não
pode fazer parte do orvalho como as pedras
fazem.
Porque o homem não se transfigura senão
pelas palavras.
E isso era mesmo.

Poema de “Menino do mato”, de Manoel de Barros

NA­DAS

“Sei que os meus de­se­nhos ver­bais na­da sig­ni­fi­cam. Na­da. Mas se o na­da de­sa­pa­re­cer a poe­sia aca­ba. Eu sei. So­bre o na­da eu te­nho pro­fun­di­da­des. Des­co­bri aos 13 anos que o que me da­va pra­zer nas lei­tu­ras não era a be­le­za das fra­ses, mas a doen­ça de­las. Co­mu­ni­quei ao Pa­dre Eze­quiel, um meu pre­cep­tor, es­se gos­to es­qui­si­to. (…) Ele fez um lim­pa­men­to em meus re­ceios. Ma­noel, is­so não é doen­ça, po­de mui­to que vo­cê car­re­gue pa­ra o res­to da vi­da um cer­to gos­to por na­das… E se riu. Vo­cê não é de bu­gre? – ele con­ti­nuou. Que sim, eu res­pon­di. Ve­ja que bu­gre só pe­ga por des­vios, não an­da em es­tra­das – Pois é nos des­vios que en­con­tra as me­lho­res sur­pre­sas e os ar­ti­cuns ma­du­ros. Há que ape­nas sa­ber er­rar bem o seu idio­ma. Es­se Pa­dre Eze­quiel foi o meu pri­mei­ro pro­fes­sor de gra­má­ti­ca.”

SA­BE­DO­RIA

“Pa­ra apal­par as in­ti­mi­da­des do mun­do é pre­ci­so sa­ber: a) Que o es­plen­dor da ma­nhã não se abre com fa­ca; b) O mo­do co­mo as vio­le­tas pre­pa­ram o dia pa­ra mor­rer; c) Por que é que as bor­bo­le­tas de tar­jas ver­me­lhas têm de­vo­ção por tú­mu­los; d) Se o ho­mem que to­ca de tar­de sua exis­tên­cia num fa­go­te tem sal­va­ção; e) Que um rio que flui en­tre 2 ja­cin­tos car­re­ga mais ter­nu­ra que um rio que flui en­tre 2 la­gar­tos; f) Co­mo pe­gar na voz de um pei­xe; g) Qual o la­do da noi­te que ume­de­ce pri­mei­ro. Etc. Etc. Etc.”

POE­SIA

“No Tra­ta­do das Gran­de­zas do Ín­fi­mo es­ta­va es­cri­to: Poe­sia é quan­do a tar­de es­tá com­pe­ten­te pa­ra dá­lias. É quan­do ao la­do de um par­dal o dia dor­me an­tes. Quan­do o ho­mem faz sua pri­mei­ra la­gar­ti­xa. É quan­do um tre­vo as­su­me a noi­te. E um sa­po en­go­le as au­ro­ras.”

PRIN­CÍ­PIO

“No des­co­me­ço era o ver­bo. Só de­pois é que veio o de­lí­rio do ver­bo. O de­lí­rio do ver­bo es­ta­va no co­me­ço, lá on­de a crian­ça diz: Eu es­cu­to a voz dos pas­sa­ri­nhos.”

CON­JEC­TU­RAS

“As coi­sas que não têm no­me são mais pro­nun­cia­das por crian­ças.”

“A gen­te é ras­cu­nho de pás­sa­ro. Não aca­ba­ram de fa­zer…”

ÁGUAS

“Es­cu­to o meu rio: é uma co­bra de água an­dan­do por den­tro de meu olho.”

“Mi­nha bo­ca es­ta­va se­ca igual do que uma pe­dra em ci­ma do rio.”

“Um gran­de rio de poe­sia atra­ves­sa-me, do­ce…”

“A he­ra ves­te meus prin­cí­pios e meus ócu­los. Só sei por ema­na­ções por ade­rên­cia por in­crus­ta­ções. O que sou de pa­re­de os ca­ra­mu­jos sa­gram. A uma pe­dra­da de mim é o lim­bo. Nos mon­tu­ros do poe­ma os uru­bus me far­reiam. Es­tre­la é que é meu pe­na­cho! Sou fu­ga pa­ra flau­ta e pe­dra do­ce. A poe­sia me des­bra­va. Com águas me ali­nha­vo.”

“A água é ma­du­ra. Com pe­nas de gar­ça. Na areia tem raiz de pei­xes e de ár­vo­res. Meu cór­re­go é de so­frer pe­dras, mas quem bei­jar seu cor­po é bri­sas…”

“No chão da água lua­va um pás­sa­ro por so­bre es­pu­mas de ha­ver es­tre­las. A água es­cor­ria por en­tre as pe­dras um chão sa­ben­do a aro­ma de ni­nhos. (…) Ár­vo­res com o ros­to ar­reia­do de seus fru­tos ain­da chei­ra­vam a ve­rão. Du­ran­te bor­bo­le­tas com abril es­se cór­re­go es­cor­reu só pás­sa­ros…”

CON­VER­SA

“Vo­cê brin­cou de mim que uma bor­bo­le­ta no meu de­do ti­nha sol? Vo­cê ia pe­gar ago­ra o que fu­giu de meu ros­to ago­ra? Na bei­ra da pe­dra aque­le car­deal, vo­cê viu? Fez um lin­do ni­nho es­con­di­do bem pa­ra a gen­te não ir apa­nhar seus fi­lho­tes, que bom. Ó meu car­deal, vo­cê não é um su­jei­to bro­coió à toa! Vo­cê é um pas­sa­ri­nho atra­ves­sa­do…”

————————————————————-

A maior riqueza do homem
é a sua incompletude.
Nesse ponto sou abastado.
Palavras que me aceitam como
sou – eu não aceito.
Não agüento ser apenas um
sujeito que abre
portas, que puxa válvulas,
que olha o relógio, que
compra pão às 6 horas da tarde,
que vai lá fora,
que aponta lápis,
que vê a uva etc. etc.
Perdoai
Mas eu preciso ser Outros.
Eu penso renovar o homem
usando borboletas.

* * *

“Por viver muitos anos dentro do mato
moda ave
O menino pegou um olhar de pássaro –
Contraiu visão fontana.
Por forma que ele enxergava as coisas
por igual
como os pássaros enxergam.
As coisas todas inominadas.
Água não era ainda a palavra água.
Pedra não era ainda a palavra pedra.
E tal.
As palavras eram livres de gramáticas e
podiam ficar em qualquer posição.
Por forma que o menino podia inaugurar.
Podia dar às pedras costumes de flor.
Podia dar ao canto formato de sol.
E, se quisesse caber em uma abelha, era
só abrir a palavra abelha e entrar dentro
dela.
Como se fosse infância da língua”.

BARROS, Manoel de. Poemas rupestres. Rio de Janeiro: Record, 2004.

http://2.bp.blogspot.com/_3Ojximob-0A/SDDJ90rkV3I/AAAAAAAACK0/7uPWwHJY0QA/s400/manoel%2Bde%2Bbarros%2B(desenho).jpg

Read Full Post »

Que fiz da vida?

Fernando Pessoa

Que fiz da vida?
Que fez ela de mim?
Quanta coisa feliz ignorada e perdida!
Quanto princípio que não teve fim!

Que sinto ante estas águas e este céu?
Ai de mim! Só o coração que é meu…

E no súbito azul em que reparo
Do mar, do antigo mar,
Pois despertei do sonho em que caíra,
Há uma carícia vaga, há um sorriso raro
Que parece falar
De qualquer paz além de gozo e dor,
De qualquer novo amor
Que transcende a verdade e a mentira.
E, desperto de todo, eu que dormia
O sono natural da sensação,
E que por isso não ouvia,
Oiço o som das ondas, claro, fresco, e uma
Brisa me passa pelo coração,
E estendo ao mar a mão
E o mar me estende sua mão, a espuma.

entre 31 e 35

Read Full Post »

AS CONTRADIÇÕES DO CORPO

https://i2.wp.com/pensandoemfamilia.com.br/blog/wp-content/uploads/2010/04/drummond.jpgMeu corpo não é meu corpo,
é ilusão de outro ser.
Sabe a arte de esconder-me
e é de tal modo sagaz
que a mim de mim ele oculta

Meu corpo, não meu agente,
meu envelope selado,
meu revólver de assustar,
tornou-se meu carcereiro,
me sabe mais que me sei.

Meu corpo apaga a lembrança
que eu tinha de minha mente,
Inocula-me seus patos,
me ataca, fere e condena
por crimes não cometidos.

O seu ardil mais diabólico
está em fazer-se doente.
Joga-me o peso dos males
que ele tece a cada instante
e me passa em revulsão.

Meu corpo inventou a dor
a fim de torná-la interna,
integrante do meu Id,
ofuscadora da luz
que aí tentava espalhar-se.

Outras vezes se diverte
sem que eu saiba ou que deseje,
e nesse prazer maligno,
que suas células impregna,
do meu mutismo escarnece.

Meu corpo ordena que eu saia
em busca do que não quero,
e me nega, ao se afirmar
como senhor do meu Eu
convertido em cão servil.

Meu prazer mais refinado
não sou eu quem vai senti-lo.
É ele, por mim, rapace,
e dá mastigados restos
à minha fome absoluta.

Se tento dele afastar-me,
por abstração ignorá-lo,
volto a mim, com todo o peso
de sua carne poluída,
seu tédio, seu desconforto.

Quero romper com meu corpo,
quero enfrentá-lo, acusá-lo,
por abolir minha essência,
mas ele sequer me escuta
saio a bailar com meu corpo.

(Carlos Drummond de Andrade)

Read Full Post »

%d bloggers like this: